Estrutura Pedagógica

As inscrições estarão disponíveis a partir de 19/07.

Oficinas especiais Regência Instrumentos Música Popular (MPB/JAZZ/Choro) Voz Estruturação Musical Kids
Clique no nome do curso para ver a "Descrição do Curso" e no nome do professor para ver o Currículo
Programação em elaboração. Sujeita a ajustes e alterações

 

Pesquise:
Pesquisa específica: Limpar seleção
CURSOS
09 a 21
14h - 17h
Divisão de Música UEL

01.01 - Regência de Orquestra

Este curso é indicado para regentes em formação.
Serão trabalhados os elementos técnicos, teóricos e práticos relacionados com a formação do regente de orquestra, oportunizando uma prática frente à orquestra, bem como o estudo de aspectos como: escolha e análise de repertório, interpretação, planejamento e dinâmica de ensaio, técnica regência.
A aula teórico prática será realizada no Hotel Crystal.
Repertório para o curso
em breve

No dia 9 de julho, as 14h na Divisão de Música da UEL (R. Tupi,210), haverá um teste, em que os inscritos devem reger o seguinte repertório: ?
Professor(a)Glen Block (USA) Glen Block (USA)
Glenn Block é o diretor de orquestras e professor de regência na Illinois State University. De 1983 a 2007, ele liderou o programa Kansas City Youth Symphony para ser um dos maiores e mais reconhecidos programas de sinfonia juvenil do país. Antes de vir para Illinois no outono de 1990, Block trabalhou por 15 anos como Diretor de Orquestra e Professor de Regência no Conservatório de Música da Universidade do Missouri - Kansas City e Diretor Musical da Kansas City Civic Orchestra. De 1972 a 1974, foi Diretor Musical da Orquestra de Câmara de San Diego e de 1968 a 1974; ele atuou como Contrabaixo Principal da San Diego Symphony e Opera Orchestras. Nascido no Brooklyn, Glenn Block foi educado na Eastman School of Music. Ele também recebeu seu Ph.D. da Universidade da Califórnia em San Diego. Um maestro convidado frequente, ele apareceu em 42 estados com orquestras de todos os estados e profissionais. A realização de visitas estrangeiras incluiu residências no FountainBleau Conservertoire na França e na Espanha, Canadá, Colômbia, Estônia, Rússia, Itália e América do Sul em 2013 e 2014. (Brasil, Argentina e Paraguai) Em 2015, ele conduziu no Teatro Colon em Buenos Aires e em Mar del Plata, Argentina. A partir de janeiro de 2016, Glenn Block ficou em licença da Illinois State University, vivendo e conduzindo em tempo integral em Assunção, no Paraguai, com shows por toda a América do Sul. Glenn Block liderou a Youth Symphony of Kansas City em cinco turnês internacionais para a Espanha (1992), Canadá (1996) Itália (2000, 2002), Praga / Budapeste / Viena (2004) e três turnês nacionais para Chicago, St. Louis e Carnegie Hall, em Nova York. A Youth Symphony of Kansas City foi convidada pela MENC para ser a orquestra de transmissão do maior concerto do mundo de 1995 e para se apresentar na convenção anual de 1996 da MENC. Glenn Block e a Youth Symphony of Kansas City apareceram como Orquestra de Festival no Western Slopes Music Festival em Crested Butte, Colorado. O Glenn Block atuou no corpo docente do National Music Camp em Interlochen como Condutor Residente da Orquestra Sinfônica Mundial da Juventude e na Interlochen Arts Academy como Maestro Visitante. Além disso, ele atuou como Diretor Musical da Orquestra do Festival de Verão no Rocky Ridge Music Center em Estes Park, Colorado. Glenn Block tem sido amplamente reconhecido como professor de regência, realizando master classes nos Estados Unidos, Canadá, Europa e América do Sul. Um pesquisador ativo, ele foi o destinatário de numerosas bolsas de Illinois State University, Universidade do Missouri e National Endowment of the Humanities que resultaram em edições críticas da música orquestral de Igor Stravinsky, Charles Ives e George Gershwin e estudo na França e na Itália. Em 1985, foi nomeado Consultor de Pesquisa do Serviço de Informação da Biblioteca da Orquestra da American Symphony Orchestra League, onde as responsabilidades incluíam a organização de fontes críticas e informações sobre erratas para o repertório orquestral em uma base de dados nacional em Washington, DC. Membro do Conselho de Administração nacional do Conductors Guild of America, representando mais de 1.000 condutores profissionais e o Conselho de Administração da American Symphony Orchestra League.
15 a 25
9h - 12h
Colégio Hugo Simas

01.02 - Regência de Coro Adulto

O curso de Prática de Regência é destinado a alunos e profissionais da área coral que desejam aprimorar a técnica gestual e aprofundar o conhecimento de repertório, técnicas de ensaio, e interpretação musical. O conteúdo do curso abordará vários aspectos relevantes `a prática de regência coral, tais como:
- estudos de técnica gestual,
- seleção de repertório para coros de formação variada,
- estudos de repertório e de interpretação aplicados aos diversos períodos da história da música,
- técnicas de ensaio para coros de formação variada, e
- técnica vocal para coro adulto.

O curso irá também oferecer a cada aluno oportunidades de reger em sala de aula para que todos participem na elaboração de comentários críticos que possam atender as necessidades individuais de cada regente e favorecer o desenvolvimento de todos.

O repertório selecionado abordará diversos aspectos técnicos e artísticos com o objetivo de ajudar o aluno a aprimorar técnicas gestuais e de ensaio relevantes a literatura coral de diferentes períodos da história da música.

Material: pasta preta com plásticos para colocar as partituras, lápis e borracha.

Pré-requisito: boa leitura musical, ser estudante de música e/ou professional atuante na área coral.
Participação no coro adulto.







Professor(a)Mariana Farah (Brasil/USA) Mariana Farah (Brasil/USA)
Graduada em regência pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mariana é Mestre em Regência Coral pela Universidade de Iowa (EUA) e doutora em Regência Coral pelo Conservatório de Música e Dança da Universidade do Missouri em Kansas City (EUA). No Brasil, estudou regência na classe do professor Henrique Gregori e canto nas classes das professoras Niza de Castro Tank e Adriana Giarolla Kayama. Foi regente do Grupo Lauda da USP de Ribeirão Preto e do Canto do Campus da USP de Pirassununga. Nos Estados Unidos, Mariana estudou com Timothy Stalter, Richard Bloesch, Charles Robinson, Scott Anderson e foi também assistente do maestro Charles Bruffy. Atualmente é professora na Universidade de Kansas onde da aulas de regência e repertório coral e rege dois dos oito coros universitários. São inúmeras as apresentações frente aos seus grupos, salientando-se sua participação em congressos importantes como os promovidos pela National Association for Music Educators e pela American Choral Directors Association e seu concerto com o Harvard Radcliffe Collegium Musicum na Harvard University em 2015. No Brasil, Mariana já liderou cursos e concertos na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, na USP de Ribeirão Preto, na Universidade Estadual de Maringá, no Festival de Música de Londrina, e mais recentemente na UNICAMP. Sua pesquisa e extenso trabalho de divulgação do repertório coral brasileiro nos EUA levou ao título de Chair for Ethnic and Multicultural Perspectives pela Associação Americana de Regentes Corais. Em 2011, sua edição da peça Três Motetinos No. 2 do compositor Ernani Aguiar foi publicada pela Earthsongs Choral Music. Mariana é membro atuante da American Choral Directors Association e da National Association for Music Educators. Como cantora, Mariana é uma das contraltos do Te Deum Chamber Choir, um grupo profissional que vem se destacando pela impecável interpretação do repertório sacro de vários períodos da história da música.
15 a 20/07
10h - 12h
Colégio Hugo Simas

01.03 - Regência Coral - Música Popular

Exercícios práticos e conversas sobre a Regência Coral na Música Popular.
Técnica de regência coral; postura e gestual do regente; estudo da partitura; exercícios preparatórios para a música popular; dinâmica de ensaio.
Diálogos sobre: o regente e os cantores, repertório do grupo e roteiro de uma apresentação. A apresentação: como utilizar bem o espaço e os equipamentos disponíveis. Propostas estéticas na música popular.
Pré-requisitos: leitura musical fluente. Prática instrumental e/ou vocal.
Público alvo: cantores de coro, regentes de coros e grupos vocais e professores de música.
Professor(a)André Protassio André Protassio
É formado em regência coral pelos Seminários de Música Pro Arte, sob a orientação do maestro Carlos Alberto Figueiredo. Pós-graduado na UNIRIO em 2006 (Mestrado em Musicologia) onde defendeu uma dissertação sobre arranjo coral brasileiro. Atualmente é Doutorando da mesma instituição. Desde 2000 leciona arranjo vocal em cursos regulares no Rio de Janeiro ou intensivos em São Paulo, Paraná e Ceará. Também tem atuado como palestrante em congressos de música vocal (Rio a Capella, APARC, Oficina Coral, CBM).
No teatro, trabalhou com os diretores Miguel Falabella, Karen Accioly, André Câmara e Augusto Thomas Vannucci alternando as funções de diretor musical, preparador e arranjador. Destaca-se a direção musical de Arca de Noé – Vinícius para crianças”, direção de Vannucci, onde foram escritos arranjos para Coro, Solistas e Orquestra.
Produziu o DVD do grupo vocal feminino “Mulheres de Hollanda” (2008). É um dos cantores/arranjadores do premiado grupo vocal BR6, com 4 CDs e uma expressiva participação em Festivais de música na Europa. Foi o diretor musical e júri das 5 edições do Concurso Nacional de Arranjos e Grupos Vocais CCBB Brasil Vocal (2011 – 2015).
Tem uma longa experiência na direção de corais amadores. Atualmente dirige o Coro da Ladeira, grupo independente formado em março de 2009, o Coral do TRT Rio e o Coral da Quarta Aumentada, todos no Rio de Janeiro.
Dirigindo o grupo Equale, (https://www.equalevocal.com/) lançou em 2000 o CD “Equale no Expresso Gil”. Em 2004, o CD “Um gosto de Sol”, com canções (e a participação) de Milton Nascimento. Em 2017, lançou o CD “Na praia de Caymmi” com as canções de Dorival Caymmi. Este ultimo CD foi premiado em 2018 na categoria Melhor Grupo – MPB, no 29º Prêmio da Música Brasileira. As principais produções musicais, arranjos vocais, trilhas sonoras, clipes, estão disponíveis no site www.andreprotasio.com.
15 a 20
9h - 12h
Igreja de Jesus Cristo

01.04 - Regência de Coro Infantil

A proposta do curso é a vivência dos aspectos práticos e teóricos relacionados à
regência de coro infantil:
- Regente/Educador
- Planejamento do ensaio
- Metodologia do ensino de canções
- Voz infantil
- Repertório adequado à faixa etária (extensão vocal, construção melódica e texto)
- Técnicas básicas de regência
- Apreciação (repertório coral)
- Jogos de educação musical (aplicados ao coro)
*Público-alvo: Regentes ou estudantes que tenham noções básicas de leitura musical
Professor(a)Ana Paula Miqueletti (PR)Ana Paula Miqueletti (PR)
Natural de Altônia – PR, concluiu o curso técnico de piano (2003), sob a orientação de Nancy Maradei e Marion Schubert na Academia Musical Schubert (Umuarama-PR).
Graduou-se e pós graduou-se na UEL em Licenciatura em Música (2000) e Performance Musical – piano (2007), respectivamente.
Atuou como educadora musical na St. James’ International School (2001-2004) nas áreas de Ensino de Instrumento, Coro Infantil e Musicalização.
Atuou como professora no Departamento de Música da UEL (2003) na área de Metodologia e Prática em Educação Musical e também no Parfor/UEL (2011/2014) nas áreas de Canto Coral e Iniciação ao piano.
Participou do ‘8th Symposium on Choral Music’ (Copenhagen/2008) em oficinas e master classes com Keith Terry, Bo Johansson, Bob Chilchott, Zimfira Poloz, entre outros.
Ministrou, juntamente com a equipe do projeto ‘Um canto e cada canto’, cursos de Educação Musical e Canto Coral na ABEM (2009) e SPEM (2010). Este projeto, tem como coordenadora artística a renomada regente londrinense Lucy Schimiti e, como coordenadora pedagógica e idealizadora, Oleide Lelis.
Foi professora do 31º e 32º Festival Internacional de Música de Londrina (FIML - 2011 e 2012) na Prática e Regência de Coro Infantil, no 33o FIML (2013) coordenou oficinas de Educação Musical, no 37º FIML (2017) preparou o Coro Infanto/Juvenil para a cantata “Carmina Burana” e no 38º FIML (2018) foi pianista correpetidora, no curso de Prática e Regência de Coro Infantil.
Participou da conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2011 (Chicago - USA e em 2015 (Salt Lake City – USA) em cursos e master classes com Alice Parker, Dan Davison, entre outros.
Em 2015 e 2017, viajou em turnê pela Europa, juntamente com o “Coral Unicanto” (Londrina-PR). Como pianista oficial do coro, tocou em concertos pela Holanda, Alemanha e Itália além de ter composto vários dos arranjos para piano, com canções interpretadas pelo referido coral.
Atualmente é regente e pianista correpetidora no projeto “Um canto em cada canto” (Educação Musical através do canto coral), pianista correpetidora, leciona piano e desenvolve atividades de composição e arranjo para coro infantil e adulto.
Professor(a)Carla Nishimura (PR)Carla Nishimura (PR)
Nascida em Londrina-PR, iniciou seus estudos musicais em 1983, tendo concluído o Curso Técnico em Piano no Centro Musical “Villa- Lobos” de Maringá-PR (1994). Graduou-se em Licenciatura em Música na UEL, participando de vários projetos na Universidade (1997). Foi integrante do grupo Neuma, realizando diversos concertos como soprano solista (1998/1999). Destacou-se como Soprano solista na ópera “La liberazione di Riggiero dall’isola di Alcina” (2004). Foi regente do coral de 1.000 vozes nas comemorações ao Centenário da Imigração Japonesa no Brasil (2008). Lecionou aulas de canto e piano em diversas escolas de música de Londrina. Foi regente no Coral Dedic (2008 e 2009). Ministrou cursos relacionados à Educação Musical e Canto Coral no Encontro da Associação Brasileira de Educadores Musicais (2009) e no Simpósio Paranaense de Educação Musical (2010), ambos em Londrina com a equipe do “Um canto em cada canto”. Participou de vários Festivais de Música, principalmente na área de Regência Coral, Canto e Técnica Vocal. Esteve na Conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2011 (Chicago - USA). Participou de Conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2015 (Salt Lake City – USA). Foi regente do Coro Feminino da ACEL de 1998 a 2016. No 37o Festival Internacional de Música de Londrina (2017) preparou o Coro Infanto/Juvenil para a cantata “Carmina Burana”. Atualmente rege o Coral Madre Leônia Milito (desde 2009), bem como leciona aulas de canto e piano. Desde 2005 também exerce atividades como Regente do Projeto ”Um canto em cada canto – educação musical através do canto coral” em escolas do Município de Londrina.
CURSOS
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

02.02 - Prática de Música de Câmara

Estudo e Prática de repertório com grupos de diversas formações, com foco na análise musical e prática interpretativa. Este curso visa ampliar o conhecimento musical do aluno por meio de obras relevantes de vários períodos da historiografia musical.
Público Alvo: alunos dos mais variados instrumentos, tais como violino, piano, flauta, clarinete, trompete, oboé, entre outros.
Infraestrutura básica: 8 estantes, piano, várias cadeiras, algumas mesas (4), tesoura, durex, cola, impressões e xerox necessários, uma sala de estudo para os cursistas com piano.
Professor(a)Luciana Gastaldi (SP) Luciana Gastaldi (SP)
Luciana Gastaldi nasceu em Londrina/PR. Graduou-se em Matemática pela Universidade Estadual de Londrina e em piano pela Faculdade de Música Mãe de Deus de Londrina. É mestre em Matemática, mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina – UEL - e doutora em Educação –na linha de pesquisa “Ensino de Ciências e Educação Matemática” pela Universidade de São Paulo - USP –. Concluiu, em 2012, o Curso de Aperfeiçoamento em Piano, pela Escola de Música de São Paulo - EMESP – Tom Jobim. Estudou com os professores Antônio Geraldo Delorenzo, Horácio Gouveia e participou de master classes com vários professores, entre eles Maciej Pikulski, Homero Magalhães, Olga Kioun, Eduardo Monteiro, entre outros.
Coordenou o Projeto de Pesquisa “A Matemática como Ferramenta da Música” na Universidade Estadual de Londrina de 2012 a 2017 e atualmente realiza pesquisas sobre a profunda relação entre música e matemática e sua aplicação na educação.
Escreveu o livro “A Racionalidade Matemática na Composição Musical”, como resultado de suas pesquisas.
Paralelamente à sua atividade acadêmica, apresenta-se regularmente em recitais, ora como pianista solista, ora como camerista. Atuou como professora de música de câmara nos festivais de música de Londrina de 2011 e 2012 e como pianista correpetidora nos festivais de música de Londrina de 2013 a 2015 e de 2017 a 2018. Participa dos grupos Pixinguinha na Pauta e Música Contemporânea na EMESP-Tom Jobim.
15 a 25
16h30 - 18h30
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.03 - Prática e Regência de Banda de Sinfônica

Público Alvo: Instrumentistas de sopro, percussionistas e regentes de banda
O curso é destinado a instrumentistas de sopro, percussionistas e regentes de banda. Ele focará na preparação e realização de um concerto com obras para banda de música sinfônica e tradicional. O repertório incluirá obras originais, transcrições e arranjos de música popular por compositores nacionais e estrangeiros. A prática visa aprimorar a habilidade de se tocar em conjunto, incluindo atividades de equilíbrio sonoro, aquecimento, estudos técnicos, afinação, articulação, percepção e improvisação. Cada participante deve trazer seu instrumento musical.
OBRIGATÓRIO QUE CADA PARTICIPANTE TRAGA SUA ESTANTE E SEU PRÓPRIO INSTRUMENTO
Professor(a)Lélio Alves (BA) Lélio Alves (BA)
Iniciação: Banda de Concerto de Volta Redonda-RJ. Formação acadêmica: bacharelado em trombone e tuba (bombardino) na UFRJ. Especialização de Docência Superior na Faculdade Béthencourt da Silva (FABES-RJ). Formação Pedagógica (ISERJ). Mestrado em Música (UFRJ). Doutorado em Música (UNIRIO). Grupos onde atuou: Orquestra Sinfônica da Bahia, Banda Sinfônica do CBMERJ, Orquestra Sinfônica da UFRJ, Orquestra BR Sinfônica, Quinteto Carioca de Metais, Madrigal de Trombones do RJ, entre outros. Festivais e Cursos onde lecionou ou atuou: a)Trombone: Festival Vale do Café-RJ (2007-2015); Fórum de Música, Educação, Gestão e Cidadania-RJ (5 edições; Gramado in Concert (2015); Oficina do XX Festival de Música Instrumental da Bahia (2015 e 2016); Festival Internacional de trombones da UNIRIO (2012,2014, 2016); Jornada de Qualificação profissional pelo Interior da Bahia(2013); Diversos Festivais da Associação Brasileira de Trombonistas (ABT). Performa – Portugal (recital com Trio do bahiabones - 2015); Turnês com o Quinteto de Metais da UFBA na Argentina, Uruguai, Chile e Estados do Nordeste. III Forum de Instrumentos de Metais do Centro-Oeste e I Encontro Brasileiro de Quintetos de Metais. (2013); I Encontro Pernambucano de Metais (2015); Seminário de Metais da UEA (2013/2014); Masterclass de Trombone na Universidad de La Republica Uruguay (2015); Tapera das Artes- Projeto Mestre e Aprendiz (2011) b) Banda de Música: Festival de Música de Londrina (2015/Banda de Música); Fórum de Bandas Filarmônicas da UFBA (2014/2015); Congressos da ABEM (2011/2013), Jornadas Acadêmicas Integradas do Centro de Letras e Artes (UFSM - 2012); Encontro Regional (Sudeste) da ABEM em Vitória-ES (2014). Publicações: Trombone Fácil: método para principiantes de trombone, bombardino e tubas (Irmãos Vitale,2014); Dissertação onde elaborou um catálogo temático de obras para trombone, referência no meio trombonístico.Tese de doutorado onde propôs a transformação do ensaio de uma banda de música escolar em um Ensaio-Aula, além de artigos. Projetos e Escolas onde lecionou: Volta Redonda Cidade Da Música (RJ); PIM (Projeto de Integraçaõ pela Música (RJ); Bamuca (Camaçari-BA). Orquestra Jovem da Petrobrás-Sinfônica (RJ); Prefeitura do Rio de Janeiro. Atividades atuais: professor adjunto de trombone da UFBA; professor do Mestrado Profissional (PPGPROM) da UFBA; membro do Quinteto de Metais da UFBA; membro do grupo Belle Époque(RJ); professor e coordenador do Curso de Licenciatura em Música e da Pós-Graduação em Educação Musical do Instituto Brasileiro de Educação Superior Continuada (IBEC). Professor de metais e regente da Banda de Concerto da FAETEC-Marechal Hermes.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

02.04 - Violino

O curso​ de violino​ visa trabalhar aspectos referentes às habilidades para execução e interpretação do repertório violinístico solo​, camerístico​ e orquestral​ de diversos estilos, compositores e formações​. As aulas serão realizadas individualmente ​e em sistema de master class abordando os diversos ​aspectos que envolvem a formação do violinista:​
• Orientações gerais de postura corporal, sonoridade, articulação,​ arcada, exercícios técnicos específicos ​visando o desenvolvimento e aprimoramento da perfomance do repertório estudado;
• Estudos técnicos ​contemplando diversas abordagens pedagógicas.
• Estudo do repertório variado de diferentes períodos, com valorização da música brasileira (sonatas, concertos, suítes, etc.), para instrumento solo e música de câmara (duos, trios e quartetos selecionados);
• Contextualização histórica das peças. Organização formal da obra, interpretação e expressão;
O desenvolvimento das aulas serão organizados a partir do encontro dos professores e alunos no dia 11/07 no Colégio Hugo Simas.
Professor(a)Leonardo JafféLeonardo Jaffé
Este jovem traz um sobrenome que já entrou para a história do ensino dos instrumentos de cordas dentro e fora do Brasil. Desde sua estréia aos 10 anos, Leonardo ganhou inúmeros concursos, participou de vários festivais internacionais, atuando como solista em turnês pela Argentina, Estados Unidos e Itália. Em 2013, Leonardo mudou-se para a Yehudi Menuhin School, na Inglaterra, sendo o primeiro aluno brasileiro a ingressar nesta escola, que é certamente uma das mais renomadas escolas de violino do mundo. Leonardo fez seu debut no Carnegie Hall em NY com enorme sucesso e depois de formar-se na Yehudi Menuhin School, mudou-se para os Estados Unidos, tendo conquistado um lugar no prestigioso New England Conservatory, em Boston.
Professor(a)Carla Rincón (RJ)Carla Rincón (RJ)
Carla Rincón, violino A premiada violinista Carla Rincon foi indicada ao Grammy Latino, Prêmio da Música Brasileira e Prêmio de Cultura do Governo do Rio de Janeiro e conquistou os prêmios Carlos Gomes e Rumos Itaú com o Quarteto Radamés Gnattali, do qual é fundadora, líder artística e primeiro violino. Com uma reconhecida carreira como camerista e solista Carla se apresentou em importantes salas como o Carnegie Hall, Americas Society, Teresa Carreño, Sala Cecilia Meireles, e viajou pelo Japão, Alemanha, Áustria, Venezuela, Colômbia, México, Paraguai, Suíça, África do Sul, Portugal, Espanha, Estados Unidos divulgando a música brasileira de concerto. Entre as suas gravações aclamadas pela crítica estão Quadro Brasil, As Quatro Estações Cariocas, Prelúdio XXI e o DVD Rio 450o, além das obras integrais para cordas de Radamés Gnattali, Ricardo Tacuchian e Heitor Villa-Lobos. Com este último registro, em DVD e Blu-Ray, Carla Rincón tornou-se a primeira mulher a gravar todo o repertório para formação de quarteto do mais conhecido compositor brasileiro. Sua carreira teve início no famoso Sistema Nacional de Orquestras Infantis e Juvenis da Venezuela, onde atuou como solista das mais importantes orquestras daquele país e se destacou como professora no conservatório Simón Bolivar. Premiada com uma bolsa integral do Conselho Nacional de Cultura da Venezuela e da North Carolina School of the Arts, onde foi vencedora do Solo Competition 2001, Carla graduou-se nessa Universidade como aluna e assistente de Kevin Lawrence. Concluiu seu GPD em 2010, na Universidade de Hartford sob orientação de Katie Lansdale e participou de inúmeros concertos com a Greensboro Symphony Orchestra, Chamber Music Faculty Society (NCSA), Chamber Music Festival (NCSA), Roanoke Island Arts Festival e Killington Music Festival. Atualmente é diretora artística e pedagógica da plataforma educativa Brasil de Tuhu, diretora musical e pedagógica do Instituto Zeca Pagodinho. Faz parte do corpo docente de importantes festivais e projetos tais como Campos do Jordão, Domingos Martins, Festival do Pará, Orquestrando a Vida, núcleo pedagógico do Festival Villa-Lobos, Mozarteum de Caracas e o Corona Youth Music Project em Nova Iorque. Além da sua intensa carreira musical, mantem uma ativa agenda de palestras, aulas e cursos para formação de professores.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

02.05 - Viola

Conteúdo:
- Técnica aplicada à mão esquerda: mecanismo básico, mudanças de posição,articulação, vibrato, glissando, cordas duplas.
- Técnicas de mão direita: golpes de arco aplicados a estudos e repertório.
- Repertório e prática interpretativa do barroco ao contemporâneo.
- Música de Câmara: duos ou trios de viola
Pré-requisitos
- O curso contemplará tanto estudantes de nível médio e avançado bem como iniciantes no instrumento.
O desenvolvimento das aulas será organizado a partir do encontro dos professores e alunos no dia 16/07 no Colégio Hugo Simas.
Professor(a)Alexandre Razera (PR) Alexandre Razera (PR)
Iniciou seus estudos musicais aos oito anos de idade, na Escola de Música de Piracicaba (SP). Graduou-se pela Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação de Marcelo Jaffé. Foi bolsista da Fundação Vitae para a Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim (Alemanha), onde foi orientado por Wilfried Strehle, posteriormente estudando na Universidade de Artes de Berlim. No Brasil atuou como violista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), Orquestra Experimental de Repertório, e viola solo da Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (OSUSP). Também foi solista das orquestras sinfônicas Paulista, Santo André, Minas Gerais e Camerata Fukuda, entre outras. Ministrou aulas nos festivais de Campos do Jordão (SP), Juiz de Fora (MG) e Oficina de Música de Curitiba. É primeiro violista da Orquestra da Rádio e Televisão Eslovênia de Ljubljana e músico convidado da Mahler Chamber Orchestra, desde 2008. Participou de gravações com a Filarmônica de Berlim, sob a regência de Cláudio Abbado, Simon Rattle, Daniel Barenboim, Lorin Maazel, Kurt Masur, Nikolaus Harnoncourt, Trevor Pinnock, Gunter Wand. Realizou concertos, gravações e turnês junto a várias orquestras europeias, como Filarmônica de Berlim, Orquestra da Rádio de Berlim, Orquestra de Câmera de Berlim, Orquestra da Ópera de Berlim, Mahler Chamber Orchestra e Orquestra da Rádio de Ljubljana.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

02.06 - Violoncelo

Aula coletiva: Exercícios executados coletivamente que desenvolvam aspectos fundamentais da técnica mecânica do violoncelo. Dentre os principais pontos estão:
- Postura e relaxamento: utilização do potencial máximo do corpo visando a qualidade sonora com o mínimo de esforço muscular e desgaste físico.
- Controle do arco em diversos tipos de articulação e dinâmicas.
- Coordenação da mão esquerda no que se refere ao relaxamento, afinação, agilidade e vibrato.
- Os exercícios trabalhados serão dos métodos de Feuillard, Starker, Mooney e do próprio professor.
Masterclass: Alunos executam suas peças individualmente e recebem orientação do professor enquanto os demais colegas assistem. Foco em questões musicais, interpretativas e performáticas: estilo, fraseado, dinâmica, gógica, criatividade, concentração e ansiedade de palco.
Professor(a)Antonio Lauro Del Claro (SP) Antonio Lauro Del Claro (SP)
Discípulo de Pierre Founier, com quem estudou em Genebra, Del Claro é um dos mais conhecidos artistas brasileiros de sua geração e é presença constante nas principais salas de concerto do Brasil. Grande divulgador da música brasileira, realizou primeira audição mundial de várias obras para violoncelo que lhe foram dedicadas pelos compositores Camargo Guarnieri, Claudio Santoro, Osvaldo Lacerda, Almeida Prado e Sérgio Vasconcelos. Suas atividades não se restringem à carreira solo. Sua preocupação com a formação de jovens instrumentistas o faz dedicar-se ao ensino do instrumento, tanto em atividades acadêmicas, quanto na organização e direção de festivais e encontros de cordas, bem como em suas atuações como regente/convidado junto a diversas orquestras de câmera brasileiras. Atualmente é Diretor e Regente da Orquestra de Câmera da Fundação Carlos Gomes, em Belém / Pará.
Professor(a) Marcus Ribeiro (RJ)Marcus Ribeiro (RJ)
O violoncelista brasileiro frequentou, a convite de Antônio Menezes, a seleta classe de Menezes na Musikakademie Basel, Suíça, onde titulou-se Mestre. Atuou como camerista em diferentes grupos na Europa, tais como a Zurcher Kammerorchester e a Camerata Stuttgart. Realizou concertos em países como Alemanha, Suíça, Itália, Espanha, Portugal e França, além de se apresentar nos festivais internacionais de Campos do Jordão, Áustria e Eslováquia.
Marcus Ribeiro também transita no universo popular ao lado de vários intérpretes da MPB em gravações, shows e turnês no Brasil e no exterior. Ao lado da cantora Marisa Monte, em turnê internacional no Brasil, América do Sul e do Norte, Europa e Ásia, apresentando-se nas principais salas de concerto do mundo tais como, Opera de Sidney na Austrália, Aichi Hall em Tókio e Academia Santa Cecília em Roma.
É integrante dos principais grupos de música do Rio de Janeiro, tais como Orquestra Sinfônica Nacional da UFF, Orquestra Johann Sebastian Rio, Quarteto Bessler e ABSTRAI ensemble e também é frequentemente convidado pelas principais orquestras brasileiras como a Filarmônica de Minas Gerais entre outras. Recentemente assumiu o cargo de diretor artístico da Camerata Laranjeiras.
Professor(a)Pedro Henrique Ludwig (PR) Pedro Henrique Ludwig (PR)
Pedro Henrique Ludwig vem atuando como músico de orquestra, camerista e professor de violoncelo desde 2000. Foi o primeiro violoncelista a graduar-se pela Universidade Federal de Santa Maria em 2004, e no ano seguinte transferiu-se para os Estados Unidos para dar seguimento à sua formação. Recebeu o título de mestre pela Universiy of South Carolina, onde atuou no USC Graduate String Quartet, e prosseguiu com estudos de aperfeiçoamento na Carnegie Mellon University, com bolsas de estudos das próprias universidades. Vem atuando como músico convidado em orquestras no Brasil e nos Estados Unidos, destacando a South Carolina Philharmonic Orchestra, Augusta Symphony Orchestra, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e Orquestra Sinfônica Brasileira. Em 2012 atuou como chefe de naipe e coordenador da orquestra na gravação do CD “Responsórios Fúnebres” - José Maurício Nunes Garcia, do Coral Porto Alegre, com regência de Ernani Aguiar. Trabalho que recebeu o Prêmio Açorianos de Música como melhor intérprete erudito em 2012. Como professor, Pedro vem trabalhando no ensino de violoncelo de crianças de 7 anos a adultos amadores e, mais recentemente, jovens em fase de profissionalização. Trabalhou no Curso de Extensão da UFSM (Núcleo Suzuki de Santa Maria), implantou o ensino de violoncelo no Colégio Evangélico Augusto Pestana (Ijuí/RS), e deu assistência à classe de ensino médio da University of South Carolina. Lecionou também no Festival de Música de Cascavel em 2012 e 2013. Desde 2013 é professor do Departamento de Música da Universidade Estadual de Maringá. Seus principais professores foram Mônia Kothe, Adriane Savytzky, ngela Ferrari, Robert Jesselson e David Premo.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Teatro Ouro Verde

02.07 - Contrabaixo Acústico

O curso de contrabaixo tem como principal objetivo o trabalho em conjunto, seja ele no formato de ensaios de naipe para as demandas do próprio Festival, bem como para preparação de "Conjunto de Contrabaixos". Haverá também a preparação individual de cada participante, com estudos de escalas e arpejos em suas respectivas e golpes de arco.
Observação:
Cada aluno deve trazer o material que desejar trabalhar individualmente.
Material para conjunto de contrabaixos será distribuído conforme o nível da classe.
Material para ensaio de naipe - será o programa feito com a Camerata do FIML
Professor(a)Ana Valéria Poles (SP) Ana Valéria Poles (SP)
Ana Valéria Poles nasceu em Tatuí (SP) e começou a estudar contrabaixo aos 12 anos com o professor Nikolay Schevtschenko no Conservatório de Tatuí, formando-se em 1981. Após vencer importantes prêmios nacionais e tocar como solista com importantes orquestras brasileiras, foi para a Áustria em 1982, como bolsista do Governo do Estado de São Paulo, para estudar na Escola Superior de Música e Artes Cênicas de Viena (hoje Universidade de Música) com o lendário professor Ludwig Streicher. Obteve também bolsas de estudo da Fundação Alban Berg de Viena e do Ministério Austríaco. Em 1988, formou-se contrabaixista na classe de Ludwig Streicher com “Einstimmige Auszeichnung” (distinção unânime) e recebeu o “Würdigungspreis” (prêmio de honra ao mérito) concedido pelo Ministério de Ciência e Tecnologia da Áustria. Na Europa, integrou o conjunto Novos Solistas de Viena, a Primeira Orquestra de Mulheres da Áustria e a Orquestra Franz Lehár, tendo tocado também com a Orquestra Mozarteum de Salzburg. Foi idealizadora e integrante do Quinteto D Elas, com o qual gravou três CDs. Em 2009, gravou seu primeiro trabalho solo, o CD intitulado “Por toda minha vida”, lançado pelo selo Clássicos, com obras originalmente escritas para contrabaixo. Recebeu o Título de Cidadã Emérita Tatuiana, concedido pela Câmara dos Vereadores dessa cidade em 2011. A partir de 1997, assume como 1º Contrabaixo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), orquestra a qual é integrante desde 1988. Em Junho de 2016 lançou o livro “Sistema de arcadas e golpes de arco em escalas e arpejos para contrabaixo” pela Editora Tipografia Musical de São Paulo. Em julho de 2016 concluiu o Mestrado no curso de Pós Graduação Profissional em Música (PPGPROM) pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professora da Faculdade Cantareira de São Paulo e da Academia de Música da OSESP.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.08 - Clarinete

Professor(a)Thiago Veiga Correa (RJ) Thiago Veiga Correa (RJ)
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.09 - Flauta Transversal

Abordagem geral do repertório de flauta e piccolo, além de estudos e excertos orquestrais. Ênfase na interpretação de música brasileira de câmara.
Professor(a) Luiz Marcelo Pereira Ferreira (SP) Luiz Marcelo Pereira Ferreira (SP)
Luiz Marcelo Pereira Ferreira, 29, é mestrando da pósgraduação profissional em música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), possui graduação em educação musical pela Universidade do Sagrado Coração (2011). Cursou flauta erudita no Conservatório de Tatuí (2008 a 2011). Participou de diversos festivais. Foi primeira flauta solo na Orquestra de Câmara da USC (2004-2006) e é monitor na Orquestra (1ª flauta) e Banda Sinfônica Municipal de Bauru (spalla) desde 2006, além de educador musical do Projeto Guri desde 2011, flautista da Cia Sinfônica de Bolso desde 2011 e 1ª flauta solista da Orquestra Sinfônica Municipal de Botucatu desde 2013. Conquistou a terceira colocação no Flute Competition no Texas Summer Flute Symposium (2018), sendo escolhido pelo público como melhor solista do evento.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.12 - Trompa

Professor(a)José Costa Filho (PR) José Costa Filho (PR)
O trompista José Costa Filho nasceu em Curitiba, onde iniciou seus estudos musicais no trompete com o seu pai. Aos 16 anos, ingressou na Orquestra Juvenil da Universidade Federal do Paraná. Seus principais professores de trompa foram Daniel Havens e Zdenek Svab. Foi vencedor do Concurso Jovens Solistas da Osesp e atuou por diversas vezes como solista da Orquestra Sinfônica do Paraná. Como camerista, gravou um CD com o Quinteto de Sopros de Curitiba, realizou concertos e gravações para a televisão ARD (Alemanha), e foi o vencedor do Concurso Nacional de Música de Câmara da Faculdade Santa Marcelina. Em 1989, a convite do maestro Eleazar de Carvalho, ocupou a cadeira de primeira trompa da Orquestra Sinfônica da Paraíba, onde atuou até 1992. Por dez anos, atuou também como primeira trompa da Orquestra Sinfônica do Paraná, e atualmente é terceiro trompista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Atua regularmente como trompista convidado em várias orquestras, ministra master classes e atua como professor em diversos festivais de música no Brasil.
15 a 25
9h-12h e 14h-16h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.13 - Trombone

Público Alvo: Trombonistas
O curso é destinado a trombonistas que estejam em diferentes estágios de desenvolvimento e nele serão abordadas questões técnicas e de performance musical inerentes ao trombone.
Professor(a)Lélio Alves (BA) Lélio Alves (BA)
Iniciação: Banda de Concerto de Volta Redonda-RJ. Formação acadêmica: bacharelado em trombone e tuba (bombardino) na UFRJ. Especialização de Docência Superior na Faculdade Béthencourt da Silva (FABES-RJ). Formação Pedagógica (ISERJ). Mestrado em Música (UFRJ). Doutorado em Música (UNIRIO). Grupos onde atuou: Orquestra Sinfônica da Bahia, Banda Sinfônica do CBMERJ, Orquestra Sinfônica da UFRJ, Orquestra BR Sinfônica, Quinteto Carioca de Metais, Madrigal de Trombones do RJ, entre outros. Festivais e Cursos onde lecionou ou atuou: a)Trombone: Festival Vale do Café-RJ (2007-2015); Fórum de Música, Educação, Gestão e Cidadania-RJ (5 edições; Gramado in Concert (2015); Oficina do XX Festival de Música Instrumental da Bahia (2015 e 2016); Festival Internacional de trombones da UNIRIO (2012,2014, 2016); Jornada de Qualificação profissional pelo Interior da Bahia(2013); Diversos Festivais da Associação Brasileira de Trombonistas (ABT). Performa – Portugal (recital com Trio do bahiabones - 2015); Turnês com o Quinteto de Metais da UFBA na Argentina, Uruguai, Chile e Estados do Nordeste. III Forum de Instrumentos de Metais do Centro-Oeste e I Encontro Brasileiro de Quintetos de Metais. (2013); I Encontro Pernambucano de Metais (2015); Seminário de Metais da UEA (2013/2014); Masterclass de Trombone na Universidad de La Republica Uruguay (2015); Tapera das Artes- Projeto Mestre e Aprendiz (2011) b) Banda de Música: Festival de Música de Londrina (2015/Banda de Música); Fórum de Bandas Filarmônicas da UFBA (2014/2015); Congressos da ABEM (2011/2013), Jornadas Acadêmicas Integradas do Centro de Letras e Artes (UFSM - 2012); Encontro Regional (Sudeste) da ABEM em Vitória-ES (2014). Publicações: Trombone Fácil: método para principiantes de trombone, bombardino e tubas (Irmãos Vitale,2014); Dissertação onde elaborou um catálogo temático de obras para trombone, referência no meio trombonístico.Tese de doutorado onde propôs a transformação do ensaio de uma banda de música escolar em um Ensaio-Aula, além de artigos. Projetos e Escolas onde lecionou: Volta Redonda Cidade Da Música (RJ); PIM (Projeto de Integraçaõ pela Música (RJ); Bamuca (Camaçari-BA). Orquestra Jovem da Petrobrás-Sinfônica (RJ); Prefeitura do Rio de Janeiro. Atividades atuais: professor adjunto de trombone da UFBA; professor do Mestrado Profissional (PPGPROM) da UFBA; membro do Quinteto de Metais da UFBA; membro do grupo Belle Époque(RJ); professor e coordenador do Curso de Licenciatura em Música e da Pós-Graduação em Educação Musical do Instituto Brasileiro de Educação Superior Continuada (IBEC). Professor de metais e regente da Banda de Concerto da FAETEC-Marechal Hermes.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.14 - Trompete

Este curso visa abranger todos os aspectos musicais relacionados ao trompete, levando em conta os diferentes contextos e realidades dos alunos, bem como seu grau de formação.
O objetivo principal é dar o suporte para que os alunos iniciantes possam aplica-lo quando estiverem na
ausência do professor. E quanto aos alunos avançados o objetivo é aprimorar a técnica para facilitar a expressão musical, considerando as diversas formas de atingir um dado objetivo.
PRÉ – REQUISITOS:
O aluno precisa saber ler música, possuir seu próprio instrumento bem como ter no mínimo uma noção básica para que possa acompanhar as aulas, uma vez que as mesmas serão em sua maioria coletivas.
O Aluno deverá possuir seu livro de estudos ou músicas que pretende trabalhar. Também será fornecido material pelo professor. Estes são: estudos básicos, métodos avançados, música do repertório tradicional do trompete, bem como música de câmara.
Professor(a)Antonio Carlos dos Santos Lopes Junior  (SP) Antonio Carlos dos Santos Lopes Junior (SP)
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

02.15 - Saxofone

Descrição do curso:
O curso visa o aprimoramento técnico-interpretativo no saxofone, com ênfase na utilização do instrumento na banda de música. Serão abordados tópicos sobre a história do instrumento, sua utilização na música popular, no jazz e na música clássica. A função do saxofone na banda de música.

Tópicos a serem abordados:
Aspectos históricos e estilísticos
Emissão do som
Respiração
Embocadura
Articulação – a utilização da língua
Escalas e Arpejos
Estudos para desenvolvimento técnico e interpretativo
Ornamentos
Repertório
Música de Câmara

Bibliografia:
PINTO, Marco Túlio de Paula. Saxofone fácil: método prático para principiantes. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 2014.
BOZZA, Eugène. Douze études-caprices pour saxophone. Paris: Alphonse Leduc, 1944.
CARAVAN, Ronald. Preliminary Exercises & Etudes in contemporary techniques for saxophone. Medfield: Dorn Publications, 1980.
CAVALLINI, Ernesto. Thirty Caprices transcribeds for saxophone or oboe by Gerardo Iasilli. Vol 1. New York: Carl Fischer. 1954.
______. Thirty Caprices transcribeds for saxophone or oboe by Gerardo Iasilli. Vol 2. New York: Carl Fischer. 1954.
HARVEY, Paul. Saxophone. London: Kahn & Averill, 1995.
HOVEY, N. W. Rubank elementary method, saxophone. Chicago, Ill.; Milwaukee, WI: Hal Leonard Corporation, 1990.
INGHAN, Richard (Ed.). The Cambridge companion to the saxophone. Cambridge, U.K. ; New York, NY, USA: Cambridge University Press, 1998.
LACOUR, Guy. 50 études faciles & progressives pour saxophone. Nouvelle édition. Vol. 1. [s.l.]: Gérard Billaudot Éditeur, 1989.
______. 50 études faciles & progressives pour saxophone. Nouvelle édition. [s.l.]: Gérard Billaudot Éditeur, 1989.
LINDEMEYER, Paul. Celebrating the saxophone. 1st ed ed. New York: Hearst Books, 1996.
LUCKEY, Robert A. Saxophone altissimo: High note development for the contemporary Player. Olympia Music, 1998.
RASCHER, Sigurd. Top-tones for the saxophone: four-octave range. 3rd ed ed. New York: Carl Fischer, 1983.
ROSSARI, Gustavo. 53 Melodious Etudes. Arr. Gerardo Iasilli. Vol. 1.San Antonio: Southern Music Company.
SKORNICKA, Joseph E. Rubank intermediate method, saxophone. Chicago, Ill.; Milwaukee, WI: Rubank ; distributed by Hal Leonard, 1991.
VOXMAN, Himie; GOWER, W. Rubank advanced method, saxophone: an outlined course of study designed to follow up any of the various elementary and intermediate methods. Chicago: Rubank, 1940.
Professor(a)a definir a definir
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Hotel Bristol

02.16 - Percussão Sinfônica

Professor(a)John Bouldler (SP)John Bouldler (SP)
Professor Titular de Percussão do Instituto de Artes da UNESP - Universidade Estadual Paulista em São Paulo, SP. Possui Bachelor of Fine Arts (1977) e Master of Fine Arts (1982) pela State University of New York at Buffalo, Doctor of Musical Arts (1983) pelo American Conservatory of Music de Chicago, Livre-Docência (1988) pelo IA/UNESP e concluiu o concurso do Cargo de Professor Titular em 1995. Ingressou na UNESP em 1978 em Regime de Turno Completo e desde 1988 é docente contratado em Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa. De 1987 a 1996 participou na administração direta da UNESP chegando a ser eleito Diretor do IA/UNESP (1992 a 1996). Já foi timpanista-solo da OSESP, bolsista da CAPES, pesquisador do CNPq e premiado diretor musical de montagens teatrais com Ulysses Cruz. Fundou em 1978, e dirige até hoje, o Grupo PIAP - Grupo de Percussão do IA/UNESP. Sua pesquisa e produção maior são dedicadas às primeiras audições (estréias mundiais e estréias brasileiras) de obras nacionais e internacionais para percussão (solo, em conjunto de percussão, em conjuntos de música de câmara e orquestra) ora como intérprete, regente ou orientador. Nestes 35 anos de atividades, o curso de percussão do IA/UNESP já formou 85 profissionais que se apresentam, estudam e/ou ainda trabalham por todo o Brasil e em mais de 40 países nos cinco continentes. As atividades o PIAP tem colhido grandes sucessos, firmando-se no cenário artístico nacional através de concertos e gravações em disco, rádio e televisão. Suas turnês internacionais incluem Canadá (2010), México (2000), EUA (1987 e 2010) e China (2011). (Fonte: Currículo Lattes)
Professor(a)José Everton Rozzini (RS)José Everton Rozzini (RS)
José Everton da Silva Rozzini - Possui graduação em Música pela Universidade Federal de Santa Maria (2002) - Bacharelado em Percussão, teve como professores/orientadores Ney Rosauro e Gilmar Goulart. Possui Mestrado em Educação Músical na UFSM (2012), Idealizou e coordenou o Projeto Oficina e Percussão Camobi de 2005 a 2007 e a Associação CUICA - Cultura Inclusão Cidadania e Artes, desde sua fundação em 2007 à 2014, atuou como oficineiro e regente do Grupo de Percussão CUICA, idealizou e coordenou os Projetos TAMBORES DE RUA 2011/2012 e o PSICO-TAMBOR 2012, Idealizou e coordenou o Projeto PARK ENCANTADO DA MÚSICA nos anos de 2005, 2006, 2007, 2008, 2010, Apresentou concerto de percussão no II Encontro Gaúcho de Percussão. Foi monitor de percussão no Festival Internacional de Inverno da UFSM. Ministrou oficinas e realizou concertos de percussão nos Municípios de Horizontina, Panambi, Santa Maria, São Leopoldo, Santa Cruz do Sul, Uruguaiana, Paraíso do Sul, Vila Nova do Sul, São Martinho da Serra, Itaára, Faxinal do Soturno, Nova Palma, São Pedro do Sul, Dona Francisca, São Sepé, Restinga Seca, Formigueiro, Silveira Martins, Rio Grande e Pelotas. Realizou palestra "Ações para Educação Musical" no II Encontro do Laboratório de Educação Musical da UFSM. Participou do XVIII Congresso da Associação Brasileira de Educação Musical e 15º Simpósio Paranaense de educação Musical como palestrante no Bate-papo temático I "Projetos Sociais e Escola: Transitando entre o formal e o informal". Recebeu o Diploma de "Mérico Comunitário" da UAC - União da Associações comunitárias de Santa Maria pelo trabalho realizado na Oficina de Percussão Camobi. Atuou como Solista da Orquestra Sinfônica de Santa Maria executando o "Concerto para Percussão e pequena Orquestra" de Darius Milhaud no ano de 2002 e 2010. Participou do "Ritmos da Terra 2002" e "Mostra Internacional de Percussão" na Cidade de Campinas SP, participou do "DIA da PERCUSSÃO 2001" na UNICAMP, Coordenou apresentação do Grupo de percussão CUICA no Congresso Mundial de Educação musical da ISME em Porto Alegre em 2014. Atualmente é professor de Percussão na Universidade Federal de Pelotas no RS, e nesta instituição criou em 2013 o PEPEU – Programa de Extensão em Percussão da UFPel que já se apresentou no VI Encontro Latino-americano de Percussão na cidade de Uberlândia MG, e nas cidades de Curitiba PR, Florianópolis SC e Santa Maria RS, e também é o responsável pelo PEP - Programa de Ensino de Percussão, responsável pela implantação da área de percussão no curso de música licenciatura da UFPel, e na mesma universidade e vem desenvolvendo pesquisas sobre a presença da percussão na música do e no Rio Grande do Sul.
15 a 25
14h - 17h
Igreja de Jesus Cristo

02.17 - Flauta Doce

Esse curso é destinado para alunos de flauta doce que já possuem leitura musical, e que já estudam o instrumento há mais de 3 anos e também a professores que buscam aprimoramento musical. O curso de flauta doce tem como objetivo trabalhar aspectos técnicos e musicais de todos os instrumentos da família da flauta doce, bem como, estreitar as relações com aspectos históricos do repertório desenvolvido afim de enriquecer a musicalidade mediante a interpretação musical e artística de cada um. Aberto para jovens e adultos, as aulas serão coletivas com momentos individuais para atendimento a alguma especificidade do estágio técnico e/ou musical em que se encontra cada flautista. Aos alunos: trazer todas as flautas que tiver, repertório que já toca e estante de partitura. Repertório sugerido: Sonatas e Concertos barrocos, e outros repertórios.
Professor(a)Claudia Freixedas (SP) Claudia Freixedas (SP)
Educadora musical e flautista doce, Mestre pela ECA-USP, formada pelo Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com especialização em Música Barroca no Koninklijk Conservatorium Den Haag (Haia, Holanda) e Pós-graduada em Capacitação Docente em Música Brasileira pela Universidade Anhembi-Morumbi.
Freixedas é integrante da Equipe pedagógica do Projeto ‘Brincadeiras Musicais’ da Palavra Cantada e Professora na Faculdade Alcântara Machado (FAAM-SP).
Em 2013 ministrou oficinas sobre a didática da flauta doce na 9ª Conferência Regional Latino Americana e 2ª Panamericana de Educacão Musical ISME Chile e e no XIX Seminário Latino Americano de Educação Musical, organizado pelo FLADEM, no Uruguai. Neste mesmo ano ministrou cursos da FACITO. Em 2002 deu cursos no III Encontro Internacional Performance Histórica de Tatuí e na III e IV Semanas de Educação Musical IA-UNESP (2011 e 2012). Foi professora nos Festivais de Música de Londrina e Curitiba (2005) e Juiz de Fora (1995 a 2005). Lecionou na Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA-SP) de 2000 a 2012.
Em 2009 gravou DVD junto ao Quinteto Sopro Novo Yamaha, tendo realizado mais de oitenta concertos por todo o Brasil. Atualmente integra os grupos ‘Quarteto Fontegara’, ‘Trio Sospirare’, ‘Doce Fole’, ‘Quadrivium’, ‘Doces Diálogos’ e ‘Grupo Recordari’ que se apresentam em diversas salas de concerto e em projetos como ‘Música em Cena (2011), projeto promovido pelo SESC; SESI Música Brasileira (2009) e SESI Música Arte-educação (2011) entre vários outros.
Claudia Freixedas é professora do Curso Superior de Música (Licenciatura) e da Pós-graduação da Faculdade Cantareira.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

02.18 - Piano

O Curso visa aperfeiçoar a execução das obras trabalhadas e auxiliar o estudo para os alunos de piano erudito. Tem por objetivos aprimorar a qualidade de estudo dos alunos, desenvolver a escuta crítica, ajudar no preparo do repertório.
ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS: Aulas práticas ao piano, analisando questões técnico-interpretativas específicas. Realização em conjunto com os alunos do curso o estudo orientado das obras, visando um maior rendimento e ensinando-os como estudar dificuldades apontadas.
PRÉ-REQUISITOS PARA INGRESSO: Os alunos deverão ter peças preparadas para trabalhar nas aulas. Eventualmente, mediante o
número de inscritos, será feita uma seleção definindo alunos executantes e ouvintes.
REPERTÓRIO A SER TRABALHADO: Obras escritas originalmente para piano.
FAIXA ETÁRIA DOS ALUNOS: Sem restrição
Professor(a)Allan Manhas (Alemanha)Allan Manhas (Alemanha)
Allan Duarte Manhas finalizou com louvor o Bacharelado em música na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, na classe do prof. Fernando Corvisier. Após período de estudos na Ucrânia transfere-se em 2008 para a Alemanha. Em 2012 obtém o título de mestre e em 2014 finaliza a pós-graduação em piano solo (Konzertexamen) pelo Instituto de Música da Universidade Martin-Luther de Halle-Wittenberg, na classe do Prof. Marco Antonio de Almeida. Com premiações em festivais e concursos nacionais e internacionais, tem se apresentado no Brasil, Chile, Argentina, Ucrânia, Bélgica, Lituânia, Rússia, Estados Unidos e Alemanha. Foi docente e pianista do Instituto de Música da Universidade Martin-Luther em Halle (Saale) entre 2011 e 2016. Atualmente reside em Berlim, onde atua como pianista e professor de piano nas escolas estatais de Música de Berlim-Central e Berlim-Schöneberg.
Professor(a)Luiz Guilherme Pozzi (SP)Luiz Guilherme Pozzi (SP)
Bacharel em piano pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, com pós-graduação pela Escola Superior de Música de Freiburg, e pela Universidade de Música e Artes Dramáticas de Graz, na Áustria. É mestre em música pela Unicamp e doutor em música pela USP. Possui grande experiência como pianista recitalista, camerista e solista de orquestra. Seu CD de estreia, gravado ao vivo com a Sonata Op. 5 de Brahms e a Sonata em si menor de Liszt, ganhou a categoria revelação do 26º Prêmio da Música Brasileira. Ensina piano e música de câmara na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP), é professor de piano na Faculdade Santa Marcelina e na USP.
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h30
Auditório da Sonkey

02.19 - Violão erudito/popular

Estudo do repertório para violão solo em variações de estilos, formas, épocas, geografias e dificuldades técnicas.
Leitura e estudo de composições originais, transcrições e arranjos para violão solo.
Estudo do repertório de música de câmara para violão.
Desenvolvimento da leitura musical.
Reconhecimento das notas musicais no braço do instrumento.
Aprimoramento da afinação e da sonoridade.
Aplicação dos sinais específicos da digitação violonística para mão esquerda e direita.
Estudo dos elementos de expressão musical, como articulação, dinâmica, fraseado, timbre.
Metodologia de estudo.
Consciência corporal.
Estudo dos elementos ligados à performance musical, como concentração, presença de palco.
Estudo da improvisação.
Aplicação dos intervalos melódicos e harmônicos no braço do instrumento.
Estudo da montagem de acordes.
Estudo dos elementos do acompanhamento na área da música popular, como a leitura de cifra, a abertura de acordes e o domínio de ritmos brasileiros e estrangeiros.
Desenvolvimento do senso rítmico e da escuta atenciosa.
Análise e aplicação do campo harmônico das escaldas maior, menor natural, menor harmônica, menor melódica, diminuta e de tons inteiros, escalas pentatônicas, escala Blues, modos gregos (jônico, dórico, frígio, lídio, mixolídio, eólio, lócrio).
Professor(a)Camilo Carrara (SP) Camilo Carrara (SP)
Bacharel em violão clássico pelo Departamento de Música da ECA-USP e especialista em Gestão de Marketing Estratégico com MBA pela FEA-USP, Camilo Carrara atua no cenário musical fazendo a ponte entre os universos da música erudita e popular. Também é diretor e produtor musical, multi-instrumentista, arranjador, compositor e professor. Desde 2011 é responsável pela produção musical e arranjos orquestrais do espetáculo “Natal do Palácio Avenida”, evento que reúne milhares de pessoas no centro da cidade de Curitiba-PR e há 5 anos é artista em residência e professor de violão do Nacional Music Festival, em Maryland, nos EUA. Atua como músico convidado e solista em orquestras e grupos de câmara, como a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), Orquestra Municipal de São Paulo (OSM), Banda Sinfônica de São Paula, Orquestra Sinfônica de Santo André, Orquestra Sinfônica da Paraná e Balé Guaíra, Het Spectra Ensemble - grupo belga de música contemporânea. É frequentemente requisitado para gravações, shows e concertos, pelo Brasil e exterior, ao lado de artistas como: Alaíde Costa, Antonio Nóbrega, Cida Moreira, Eugénia Melo e Castro (Portugal), Fortuna, Lokua Kanza (Congo/França), Mônica Salmaso, Toquinho e Zizi Possi, entre outros. Participou de duas turnês com a OSESP: em 2003 sob a regência de John Neschling, e, em 2010, sob a regência do francês Yan Pascal Tortelier. Como convidado da orquestra, gravou a “Canção do Amor”, de Heitor Villa-Lobos e “Festas Romanas” de Otorino Respighi para o selo escandinavo BIS. Sua discografia consiste em mais de 70 CDs, entre participações e trabalhos solo. Na área da criação destacam-se suas trilhas para dança, TV, cinema, teatro e publicidade. Desenvolve intensa atividade pedagógica, tendo sido professor nas principais escolas de São Paulo. Lecionou nos Festivais de Música de Prados-MG, foi palestrante do I Mini-Festival de Música Contemporânea da Universidade Federal de Goiás-GO e do 30º Festival de Música de Londrina-PR. Coordenou o Departamento de Cordas Dedilhadas da ULM (Universidade Livre de Música) e por mais de 10 anos integrou o quadro de professores do Festival Internacional Música nas Montanhas, em Poços de Caldas-MG. Participou da equipe que elaborou o primeiro ENADE de música, em 2006, e integra bancas examinadoras em festivais de música e provas para vestibular. No momento é professor da Faculdade Cantareira e do curso de Formação para Músicos Educadores do Espaço Musical, em São Paulo. Seu leque de atuação ainda inclui o de parecerista em causas jurídicas que envolvem infrações dos direitos autorais na área de música.
CURSOS
15 a 25
14h - 17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.00 - Prática de MPB e Jazz

Os conceitos apresentados e desenvolvidos nas aulas de instrumentos serão agora colocados em pratica da forma mais concreta que é: tocar em conjunto.
Aqui, os alunos participantes das aulas de instrumentos poderão, a partir da execução em conjunto de repertório selecionado , ter a experiência pratica e a visão sobre a importância e o papel do seu instrumento e dos sons e frases que ele produz, para a qualidade do resultado musical final .
Foco em :
- Uso de técnica e habilidades em função da composição e do arranjo como um todo.
- O momento do solo/improvisos e sua conexão com o todo.
- Tocar ouvindo o outro - tocar para a beleza do todo.
- Expandir, transformar e recriar em tempo real o material musical, mantendo a conexão com a estrutura da composição
Professor(a)Professores de MPB Professores de MPB
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.01 - Guitarra

EMENTA: Aspectos timbrísticos, técnicos e estruturais do instrumento. Estudo intervalar no instrumento. Improvisação. Leitura de cifras e partitura. Rotina de estudo.
OBJETIVOS: Desenvolver a partir do instrumento (guitarra elétrica) diferentes modos de inserção no fluxo musical.
Improvisar
Desenvolver a fluência na leitura e performance a partir de um roteiro diário de estudos.
JUSTIFICATIVA:
O cânone do instrumento guitarra, no Brasil, ainda que tendo se desenvolvido muito nos últimos anos, devido ao surgimento de inúmeros cursos superiores em música popular (nicho no qual o instrumento é mais facilmente reconhecido), carece ainda de uma organização sistemática ao que diz respeito à métodos, repertório e abordagens acerca das competências relacionadas a uma boa performance. A propostas deste curso é preencher, mesmo que de modo sucinto e sintético, parte dessa lacuna presente na abordagem metodológica no ensino do instrumento.
Professor(a)Nelson Faria Nelson Faria
Um dos mais importantes músicos brasileiros, Nelson Faria tem em sua bagagem musical 12 CDs gravados, 8 livros editados sendo que 2 deles com edições nos EUA, Japão e Itália, 1 DVD com o grupo NOSSO TRIO e o Video-aula Toques de Mestre além da participação como músico, arranjador ou produtor em mais de 200 CDs de artistas nacionais e internacionais.
Junto com a conceituada fábrica de instrumentos musicais CONDOR desenvolveu o modelo JNF-1, guitarra que vem com sua assinatura e tem sido apontada pela mídia especializada como um dos melhores instrumentos na relação custo benefício do mercado nacional. Atualmente, Nelson Faria atua como professor na Universidades de Örebro na Suécia, além de trabalhar ao lado das mais importantes Bigbands da Europa e dos EUA como arranjador e solista convidado.
Em duo com o Leila Pinheiro, acaba de lançar pela Biscoito Fino o CD “Céu e Mar”
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.02 - Contrabaixo elétrico

- Digitando Harmonicamente
- Criando e Coordenando Células Ritmicas
- Interpretando e Memorizando Sequencias de Acordes
- Conhecendo Baixistas Brasileiros
- Improvisando no Baixo
Professor(a)Guto Wirti (RJ) Guto Wirti (RJ)
15 a 20
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.03 - Bateria

O curso terá como foco as músicas que serão tocadas em grupo na Oficina de Jazz e MPB e os seguintes conteúdos:
- a bateria e sua aplicação no Jazz e na Música Popular Brasileira- MPB.
- o desenvolvimento da técnica a partir do material musical e em função do mesmo - melodia e harmonia ditam o caminho!
- a utilização criativa dos ritmos, timbres, dinâmicas e das várias vozes ( sons )da bateria para enriquecer o todo.
- Construindo uma carreira musical em estúdios de gravação, shows e turnês - troca de experiências vividas
Professor(a)Sérgio Reze (SP) Sérgio Reze (SP)
Graduado com menção honrosa pelo Musicians Institute of Technology nos EUA, o baterista e percussionista Sergio Reze, desde o seu retorno ao Brasil, tem atuado em shows e gravações ao lado de grandes nomes da música brasileira e internacional como: André Mehmari, Ivan Lins, Monica Salmaso, Paulinho da Viola, Zélia Duncan, João Bosco, Dominguinhos, Toninho Horta, Hamilton de Holanda, Orquestra Popular de Câmara, Arnaldo Antunes, Nei Matogrosso, Lenine, Chico Buarque, Edu Lobo, Flávio Venturini, Elza Soares, Arrigo Barnabé, Ivan Vilela, Badih Assad, Zé Renato, Swami Jr., Fabiana Cozza, Ceumar, Palavra Cantada, Marco Pereira, José Miguel Wisnik, Ná Ozzetti, Marcelo Jeneci, Zé Manoel, Lívia Mattos, Cacá Machado, Manu Lafer, Luiz Tatit, Benjamim Taubkin, Tonkunstler Orchester (Áustria), Antonio Arnedo ( Colombia), Sônia Rubinsky, Patrick Zimmerli (EUA), Carlos Aguirre (Argentina), Shoji Kaneda ( Japão ) , Giovanni Guidi ( Italia ) entre outros.
Seu trabalho na bateria, marcado por forte identidade estilística, foi indicado ao Prêmio Visa de Instrumentistas e tem contribuído para a ampliação dos limites do instrumento por meio da utilização de novos timbres e elementos melódicos.
Ao longo de 20 anos de carreira Sergio está presente em mais de 80 discos e também em trilhas para espetáculos de teatro, dança e cinema e tem se apresentado em diversos países como Alemanha, Áustria, França, EUA, Espanha, Portugal, Inglaterra, Cuba, Argentina, Uruguai, Equador, Bolivia, Colombia, Nova Zelândia e Japão.
Sergio é endorser das marcas: Canopus Drums Bosphorus Cymbals Drum Practice Pads
15 a 20
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.04 - Jazz Piano

O curso tem como objetivo abordar de maneira sintética e interligada uma série de pontos e ferramentas necessárias ao pianista:
Piano
• Improviso (estimulo e resposta)
• Percepção harmônica e melódica
• Piano solo.
• Piano em conjunto.
Professor(a)Salomão Soares (SP) Salomão Soares (SP)
Vencedor do Prêmio MIMO Instrumental 2017
Finalista do Piano Competition no Festival de Montreux 2017 - Suíça
Vencedor do Prêmio Novos Talentos do Festival Savassi 2018
Artista convidado para quatro shows no Festival SESC Jazz 2018 - um dos mais renomados festivais de jazz da América Latina Convidado especial de Hermeto Pascoal para o show de encerramento do Festival SESC Jazz 2018
Com apenas 29 anos e 4 álbuns gravados, Salomão Soares vem se destacando como uma das grandes revelações da nova geração de pianistas brasileiros.
Nascido na Paraíba e radicado em São Paulo, Salomão é pianista, arranjador e compositor. Já dividiu palco com nomes marcantes da música brasileira como Hermeto Pascoal, Leny Andrade, Filó Machado, Nenê, Vinicius Dorin, Itiberê Zwarg, Altay Veloso, Arismar do Espírito Santo, Toninho Ferragutti (com quem gravou recentemente um disco em duo), entre tantos outros..
15 a 25
09h - 12h ou 14h - 17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.05 - Acordeon

Direcionado para profissionais instrumentistas que possuem Acordeon no modelo baixo standard (acordes e notas), podendo ser de 120 ou 80 baixos e com teclado na mão direita.

Serão abordados os seguintes assuntos:

Princípios básicos de Harmonia e encadeamento harmônico.
Técnica, Técnica de fole
Elaboração de arranjos para acordeon solo e acompanhamento
Formação de repertório.

Os alunos interessados deverão comparecer som seus instrumentos e gravador.
Professor(a)Toninho Ferragutti Toninho Ferragutti
Considerado um dos mais inventivos e talentosos acordeonistas, Toninho Ferragutti é também compositor e arranjador e possui uma extensa participação em centenas de cds e shows de artistas importantes no Brasil e no exterior. Tem 10 cds solo e em parceria com indicações ao Grammy Latino (Anos 2000 com o cd Sanfonema e 2014 com cd Festa na Roça), indicações também ao Premio Tim, Prêmio Governador do Estado de São Paulo, Prêmio da Música Brasileira (indicação como melhor instrumentista – 2014). Troféu Açorianos de música 2014/2015 como melhor compositor Erudito e recebeu também o Troféu Cata-Vento 2015 na categoria Música Instrumental, pelo cd Como Manda o Figurino, junto ao acordeonista Bebê Kramer. Seu mais recente CD A Gata Café esta entre os melhores cds de 2016 na opinião do critico musical Carlos Calado.
15 a 20
09 - 12h e 14h - 17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.06 - Viola Caipira

Sob o olhar, metodologia e experiência do professor, pesquisador e violeiro João Paulo Amaral, a oficina de viola caipira trará aspectos técnicos e práticos da viola brasileira abrangendo desde sua linguagem tradicional no contexto da música caipira até abordagens, técnicas e aplicações mais contemporâneas em outros universos musicais. Buscará desenvolver e ampliar o conhecimento dos participantes desde sua aplicação como instrumento solista até sua função de acompanhador. Destinada a violeiros já iniciados, trabalhará repertório de nível médio a avançado.<

Na oficina serão abordados aspectos como:
- técnica: postura, afinação do instrumento, exercícios de aquecimento, de mão direita, esquerda, etc.
- ritmos e fundamentos: montagem de acordes, escalas, ponteios, ritmos da viola, uso de cordas soltas, etc. 

- repertório: baseado nos materiais didáticos/publicações desenvolvidos pelo professor e também no repertório de seus projetos artísticos (João Paulo Amaral solo/trio, Conversa Ribeira, Orquestra Filarmônica de Violas, Cordal, Juliana Amaral, etc), os participantes executarão composições e arranjos de forma a praticar repertório desde viola solo até grupo de violas, além de alguns exemplos de abordagens, soluções, adaptações em situações/formações diversas onde a viola assume outras funções como de acompanhamento, contracanto, etc.
- módulo especial Tião Carreiro: baseado em sua pesquisa de mestrado, o professor trará alguns conteúdos musicais específicos ligados aos solos e toques do lendário mestre violeiro Tião Carreiro.
pré-requisito: É desejável que o aluno possua leitura musical básica de partitura para melhor aproveitamento do curso. No entanto as oficinas utilizaram também o método facilitador da tablatura musical e a transmissão oral. O único pré-requisito imprescindível é o aluno trazer seu próprio instrumento (utilizaremos a afinação Cebolão Ré) e que já seja iniciado na viola (violonistas com boa formação poderão ser aceitos se for o caso).
faixa etária: a partir de 12 anos
material: cada participante deve levar seu próprio instrumento, estante de partitura , lápis e borracha para anotações
Professor(a)João Paulo Amaral (SP) João Paulo Amaral (SP)
Pesquisando a viola caipira há mais de quinze anos, e com experiência nacional e em palcos de Portugal, Espanha, México, Inglaterra e Estados Unidos, o músico, arranjador e compositor João Paulo Amaral se destaca por propor novos caminhos musicais para a centenária viola caipira. Sobre seu trabalho, escreveram Paulo Bellinati “…além das cores e matizes regionais bem delineados, descobrimos uma viola do futuro” e Ulisses Rocha “A música pode ser bonita, difícil, interessante, e muitas outras coisas. Nas mãos do João Paulo, a música é arte!”. Saiba +
15 a 25
14h - 17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.07 - Prática de Conjunto de Choro/Roda de Choro

Oficina voltada para a prática do choro em conjunto. Tem como objetivo proporcionar aos participantes a vivência e o aprendizado através da prática coletiva de cada de seus gêneros, com base tanto nos compositores “clássicos” (Callado, Henrique Alves de Mesquita, Anacleto de Medeiros, Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Jacob do Bandolim) quanto nos contemporâneos.
Será dividida em dois módulos:
- Aula em formato “Masterclass”: para conjuntos já formados e conjuntos formados na ocasião. A inscrição dos conjuntos será feita no 1º encontro. Neste módulo cada conjunto tocará repertório previamente estabelecido para o comentário dos professores e dos demais alunos (aproximadamente uma hora).
- Ensaio de arranjos realizados especialmente para a formação instrumental disponível no curso.
Participação de todos os inscritos. Abordagem das possibilidades de obtenção de uma sonoridade brasileira (articulações, dinâmica e agógica) em formações populares – orquestrais e camerísticas (aproximadamente uma hora e meia).
A meia hora final de cada encontro será dedicada à roda de choro.
Aberta a todos os instrumentos.

Obs: como os professores deixarão Londrina no dia 24/07, haverá aula normal no domingo, 21/07
a fim de que se tenha cumprida a carga horária do curso.
Professor(a)Professores do Choro Professores do Choro
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.08 - Cavaquinho

Estudo da presença do cavaquinho na música brasileira, em especial no universo do choro, atentando para as principais referências no instrumento. Para a abordagem do cavaquinho como instrumento acompanhante, serão demonstrados os diversos padrões de acompanhamento e respectivas variações para gêneros musicais como lundu, tango brasileiro, polca, schottisch, valsa, choro, samba, marcha carnavalesca, baião e frevo entre outros e ainda assuntos referentes à harmonia aplicada ao cavaquinho. Em relação ao cavaquinho como solista, serão apresentados exercícios de técnica diversos e considerações a respeito de recursos interpretativos como digitação, fraseado, efeitos peculiares etc. O desenvolvimento das atividades terá o apoio de material didático específico e também de gravações diversas, levando em consideração as principais referências no instrumento. Pré-requisito: é bastante oportuna a noção de leitura de cifras e, se possível, de partitura.
Professor(a)Jayme Vignoli (RJ) Jayme Vignoli (RJ)
Cavaquinista, arranjador, compositor e produtor musical nascido no Rio de Janeiro em 13 de março de 1967, Jayme Vignoli começou a tocar cavaquinho aos treze anos. Tendo iniciado sua vida profissional em 1984, aos dezessete anos, atuou em diversos grupos de música popular pelo Brasil e exterior.
Estudou cavaquinho com Márcio Almeida. Graduou-se em Composição pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni Rio), instituição onde iniciou o curso de Mestrado Profissional em Ensino as Práticas Musicais no ano de 2014.
Integrou a Orquestra de Cordas Brasileiras e faz parte do conjunto Água de Moringa, grupos agraciados com prêmios Sharp na categoria instrumental nos anos 1991, 1992 e 1998. É integrante do grupo Caldereta Carioca que fez sua estréia em outubro de 2005 no projeto Viagens Musicais no Centro Cultural do Banco do Brasil - Rio de Janeiro - executando no programa em primeira audição mundial a versão da obra O boi no telhado de Darius Milhaud (original para orquestra) para regional de choro. Esse mesmo concerto foi repetido em 2006 na Sala Ibero Americana em Berlim, Alemanha. Foi integrante da Camerata Universidade Gama Filho com a qual atuou pelo Brasil e Portugal.
Integra ainda a Orquestra Típica Flor do Sereno do Rancho Carnavalesco Flor do Sereno, o trio Trinca, o trio Os Guanabaras, o Trio Turuna e a orquestra Pixinguinha na Pauta. Tem se apresentado com esses grupos e outras formações em todas as regiões do Brasil e também no exterior, em países como Estados Unidos da América, França, Portugal, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Colômbia, Paraguai Argentina e Irã.
Na década de 1980 foi professor da Escola Brasileira de Música, mesma época em que atuou nos Mini concertos didáticos do Museu Villa Lobos no Rio de Janeiro. Participou ainda como docente por muitos anos nos cursos de cavaquinho, oficina de choro e arranjo para conjunto de choro do Festival de Música de Londrina e ainda, em 2000, na Oficina de Música do Conservatório de Música Popular de Curitiba. Desde 2003 atua como professor de cavaquinho, arranjo, composição e prática de conjunto da Escola Portátil de Música (EPM) no Rio de Janeiro. Tem lecionado anualmente no Festival Nacional de Choro (vinculado à EPM) desde sua primeira edição em 2004. Em 2008 atuou na Semana do Choro de Londrina, na Casa de Cultura da UEL (Universidade Estadual de Londrina) como professor de prática de conjunto e palestrante sobre história do choro. Em 2012 e 2014 lecionou cavaquinho e prática de conjunto de choro nas 34a e 36a edições do Curso Internacional de Verão de Brasília (CIVEBRA). Lecionou nas 3a e 4a edições da Semana Seu Geraldo de Música em Leme (SP), no 7o Encontro de Choro da Unicamp (2014) e 1o Encontro de Choro de Campinas (2015) e ainda no exterior nas seguintes instituições New York University (EUA - 2002), Rytmisk Musikkonservatorium (Dinamarca - 2005) e Fridhems Folkhögskola (Suécia - 2005) e Casa de Choro de Toulouse (França -2012).
Fez a direção musical e escreveu trilhas sonoras de diversos vídeos institucionais e CD- ROMs, bem como curtas e médias metragens como: Perdi a cabeça na linha do trem (de Estevão Ciavatta - 1992), O Matrimônio (de Ralf Cabral Tambke - 1994/2006), Livre (de Márcia Paraíso - 1994), Biu - a vida não tem retake (de Paulo Halm - 1995), Liberdade ainda que à tardinha (de Luiz Gonzaga Guimarães de Castro - 2002), Babaú na casa do Cachaça - Verde e Rosa Blues (de Luiz Gonzaga Guimarães de Castro - 2005) e Eu sou assim - Wilson Batista (de Luiz Gonzaga Guimarães de Castro - 2007).
Em 2004 atuou no projeto Brasiliana - Catálogo Digital Radamés Gnattali que proporcionou a edição digital de parte da obra do grande compositor brasileiro, como coordenador de edição de partituras.
Trabalhou em diversos espetáculos teatrais dentre os quais se destacam: Pixinguinha (1994 - CCBB Rio de Janeiro e Teatro Carlos Gomes - Rio de Janeiro), Metralha (1996 - CCBB Rio de Janeiro e Teatro Ginástico - Rio de Janeiro e ainda Teatro Nacional em Brasília) e Clara Nunes – Brasil Mestiço (2001 - CCBB, no Rio de Janeiro). Atuou como músico e diretor musical da montagem da “sambópera” A Traviata (2001) de Augusto Boal quando praticamente teve que reescrever a partitura de Verdi adaptando-a para os ritmos brasileiros.
Em 1996 sua música Parceria (escrita com Paulo de Castro) tirou o segundo lugar no Festival 20 anos de Seis e Meia - Teatro Carlos Gomes - Rio de Janeiro (RJ). Em parceria com Aldir Blanc e Luiz Flavio Alcofra, tem músicas gravadas por Walter Alfaiate (Bolinho de Bacalhais - CD Olha aí - Alma Produções - 1998), Nadinho da Ilha (Volante de contenção - CD O samba bem humorado de Nadinho da Ilha - RGE - 1999) e Valéria Lobão (Oração perdida - CD Chamada - Tenda da Raposa - 2011). Com Aldir Blanc, tem obras registradas por Zeca Pagodinho (Sem essa de malandro agulha - CD Zeca Pagodinho - Polygram - 1998 e CD Zeca Pagodinho ao vivo - Mercury/Universal - 1999), Aldir Blanc (Primos entre si - CD Roda de samba no Bip Bip - independente - 2005 e Lupicínica - CD Vida Noturna - Lua Discos - 2005) e Rancho Carnavalesco Flor do Sereno (independente - 2007).
No ano 2000 sua obra BirinaiteSuite foi incluída no CD Estúdio de Música Eletroacústica - Instituto Villa Lobos/Uni Rio. Entre os anos de 2002 e 2003 co-produziu o disco Sob o Redentor do violonista e compositor Zé Paulo Becker tendo também trabalhado no projeto como músico e arranjador.
Em 2006 co-produziu e fez a direção musical e arranjos do CD Sacramentos do cantor Marcos Sacramento (gravadora Biscoito Fino) em cujo CD anterior – Memorável Samba – já atuara como músico, arranjador e co- diretor musical.
Em 2006, dentre cento e treze inscritos, foi um dos cinco finalistas do Prêmio SesiMinas de Cultura – composição para orquestra de câmara com a obra Incelença e coco de embolada, para cordas, obtendo na ocasião menção honrosa.
Em 2008 o sexteto Fina Estampa estreou sua obra Botequiana No 2 – Bracarense, gravando- a em seu primeiro CD (Abrideira - independente - 2009).
Tem atuado intensamente como arranjador tendo, em 2009, escrito três arranjos para o show do cantor Chico César com a orquestra holandesa Metropole Orkest dirigida por Vince Mendoza. Em 2012, repetiu a dose, escrevendo para a mesma orquestra, três arranjos especialmente para o concerto Noite Cabo Verde, com artistas desse país como Tito Paris. Ainda como arranjador, tem uma longa lista de participações em diversos CDs e concertos com artistas como: grupo Água de Moringa, Os Guanabaras, Moacyr Luz, Aldir Blanc, Chico Adnet, Maria do Céu, Teca Calazans, Projeto Choro Carioca, Música do Brasil, Quinteto Villa Lobos, Furiosa & Camerata Portátil, Ivor Lancellotti, Jards Macalé, Projeto Joaquim Callado - o Pai dos Choroões, Mariana Baltar, Projeto Mário Lago, Homem do Século XX, Zé da Velha e Silvério Pontes, Joel Nascimento e Fernanda Canaud, Duo de Lena Verani e Luiz Flavio Alcofra, Terno Carioca, Rancho Carnavalesco Flor do Sereno e João Bosco dentre outros.
Em 2010 atuou como curador e diretor do espetáculo de música da 3a Mostra Brasil Juventude Transformando com Arte (www.juventudearte.org.br), realizada no Teatro Carlos Gomes – Rio de Janeiro, promovida pelo CEPP – Centro de Estudos de Pesquisas Públicas e em 2012 voltou a desempenhar as mesmas funções na 4a Mostra Brasil Juventude Transformando com Arte. Em 2010 produziu, fez a direção musical e os arranjos do CD Aço frio de um punhal de Fernando Pellon.
Em 2011 sua obra Estação Madureira, para violão e quarteto de cordas foi gravada dentro do projeto As Quatro Estações Cariocas por Zé Paulo Becker e Quarteto Radamés Gnattali. No mesmo ano sua quadrilha Litorânea foi registrada no CD de estréia do grupo Camerata Brasilis (CD Camerata Brasilis - Acari Records - 2012).
Em 2012 produziu o CD do grupo Zé da Guiomar (Belo Horizonte - BH), entitulado Samba Feiticeiro, tendo atuado também no disco como diretor musiacl, arranjador e músico.
Em 2013 escreveu três arranjos para o concerto comemorativo dos 10 anos da série MPB & Jazz com o grupo Água de Moringa e Orquestra Petrobras Sinfônica.
Entre os anos de 2012 e 2013 escreveu todos os arranjos do CD da cantora sueca Miriam Aïda (É de lei! - Miriam Aïda e Afrosamba Orchestra - Connective Records), dedicado à obra do compositor brasileiro Baden Powell.
Em 2013 produziu e fez a direção musical do CD de estréia do grupo Tungo. Nesse mesmo ano criou a Orquestra Fuleira, grupo de 15 músicos, para tocar repertório de sua autoria e de compositores brasileiros fundamentais como Radamés Gnattali, e Guerra Peixe entre outros. A Orquestra Fuleira fez sua estréia em setembro de 2016 sob sua direção na Casa do Choro (Rio de Janeiro - RJ).
Em 2014 trabalhou como produtor e diretor musical no CD de estréia da dupla de compositores Iara Ferreira e Bernardo Diniz, Bené e Iaiá, disco esse com lançamento previsto para julho de 2015, ano em que produziu e fez a direção musical do CD das compositoras-cantoras Anna Paes e Iara Ferreira Miragem de Inaê.
Em 2016 trabalhou como produtor musical, diretor musical e arranjador do CD Moribundas vontades de Fernando Pellon e desempenhou as mesmas funções no quarto CD do grupo Zé da Guiomar (Belo Horizonte - MG).
Ainda nesse ano escreveu oito arranjos para o CD Choros de Guerra Peixe do grupo Picadinho da Velha (Campinas - SP).
Em 2017 estreou a Orquestra Fuleira, um grupo de 15 músicos criado por ele próprio para excutar suas composições e arranjos.
Atualmente, além de lecionar, trabalha também como coordenador e membro da diretoria da Escola Portátil de Música (EPM) e do Instituto Casa do Choro (ICC) no Rio de Janeiro.
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.09 - Clarinete e Saxofone

Elementos técnicos e interpretativos do clarinete, aplicados à linguagem da música popular brasileira, partindo do choro. Percepção melódica no clarinete, escalas, arpejos, articulação, ornamentação, sonoridade e recursos expressivos, tendo como referência exemplos históricos da música popular brasileira.
Obs:
1. dependendo do nível dos alunos, poderão ser abordados fundamentos técnicos para iniciantes do instrumento como respiração, postura, embocadura e emissão.
2. a atividade é aberta a instrumentistas de sopro que toquem outros instrumentos como saxofones, flauta, trompete, bombardino, trombone...
Professor(a)Rui Alvim (RJ) Rui Alvim (RJ)
15 a 25
09h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.11 - Violão de 7 cordas

Aula de violão abordando o universo do acompanhamento no choro. Abordagem histórica e treinamento prático dos diversos gêneros musicais que compõem este universo, tais como: polca, tango brasileiro, valsa, schottisch, quadrilha, choro e samba. Aprofundamento em suas peculiaridades interpretativas e suas características rítmicas, bem como na relação entre melodia e acompanhamento no choro. Conexão com procedimentos utilizados por compositores clássicos como Villa-Lobos e Gnattali em obras escritas para violão solo e outras formações, inspiradas no universo do choro. Pré-requisito: é necessária leitura fluente de cifras.
Professor(a)Josimar Carneiro (RJ) Josimar Carneiro (RJ)
Josimar Carneiro é professor de Arranjo da UNIRIO e Doutorando em Música na mesma instituição, é integrante do grupo Água de Moringa, desde a sua fundação em 1989. Atuou também como violonista e arranjador na Orquestra de Música Brasileira, Orquestra de Cordas Brasileiras, Camerata Gama Filho e com diversos artistas da mpb como Ney Matogrosso, Elza Soares, Zé Renato, Jair Rodrigues, Eduardo Dussek e outros. É diretor de musical e autor de trilhas das seguintes peças de teatro: South American Way (2001/2003) de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa; Godspell (2002/3) musical de Stephen Scwhartz adaptado e dirigido por Miguel Falabella; Veneza (2003) trilha sonora original para a peça teatral do argentino Jorge Accame com Arlete Salles, Laura Cardoso e Tuca Andrada, e adaptação e direção de Falabella; O Musical dos Musicais (2003) espetáculo na Sala Baden Powell, estrelado por Bibi Ferreira, Ney Matogrosso e Marília Pera; Vamos brincar de amor em Cabo Frio (2003) de Sérgio Viotti, sob a direção de Stella Miranda; Geraldo Pereira – um escurinho brasileiro (2004), musical sobre a vida do sambista, escrito por Ricardo Hofstetter e dirigido por Daniel Herz; A Primeira Noite de um Homem de Terry Johnson (2004) traduzido e dirigido por Miguel Falabella, estrelado por Vera Fischer; Otelo da Mangueira (2005/6) de Gustavo Gasparani, no Teatro Ginástico; Brasil Brasileiro (2005/9) dirigido por Claudio Segovia, atuou como arranjador e músico, nesta superprodução que conta a história do samba e que foi apresentada em Toulouse, Paris, Lyon, Madri, Barcelona, Londres e Bahrein; Império (2006/7), de Miguel Falabella e Josimar Carneiro. O musical enfoca o período da vinda da Família Real Portuguesa ao Brasil. Com 19 canções originais compostas pelos autores - o espetáculo foi protagonizado por Stella Miranda e Sandro Christopher e contou com elenco de 20 atores e uma orquestra de 15 músicos; O Areias (2007) musical infantil de Ricardo Conti e Camila França, encenado no Teatro Aula Magna, em Lisboa. Composições originais e direção musical; Divina Elizeth (2008/9) musical de João Falcão no Teatro Frei Caneca em São Paulo e Teatro SESC Ginástico no Rio de Janeiro; Tom e Vinícius - o musical (2008/9), de Daniela Pereira de Carvalho e Eucanaã Ferraz dirigido por Daniel Herz e protagonizado por Marcelo Serrado, Thelmo Fernandes e Guilhermina Guinle; Ary Barroso – Do Princípio ao fim – de Diogo Vilela. Encenado no Teatro Carlos Gomes em 2013. Obteve os seguintes prêmios PRÊMIO SHELL 2008 (SP) – melhor direção musical por Divina Elizeth de João Falcão; PRÊMIO SHELL 2001 (RJ) – melhor direção musical por South American Way de Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa; PRÊMIO SHARP 1998 – melhor arranjador na categoria música instrumental com o álbum ‘SARACOTEANDO do grupo Água de Moringa; PRÊMIO SHARP 1998 – melhor grupo na categoria música instrumental: Água de Moringa;PRÊMIO SHARP 1990 – melhor disco na categoria música instrumental: Orquestra de Cordas Brasileiras; PRÊMIO SHARP 1989 – melhor grupo na categoria música instrumental: Orquestra de Cordas Brasileiras; PRÊMIO SHARP 1989 – melhor disco na categoria música instrumental: Orquestra de Cordas Brasileiras.
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.12 - Violão no choro

Professor(a)Luiz Flávio Alcofra (RJ) Luiz Flávio Alcofra (RJ)
Violonista, compositor, arranjador, nascido no Rio de Janeiro, é graduado em Música pela UNIRIO, possui mestrado em Ciência da Arte (UFF/RJ) e é aluno de doutorado em documentação e história da música na UNIRIO. Atualmente, é Professor Substituto de prática de conjunto e violão popular da UNIRIO, de violão da Casa do Choro e também, desde 2006, é professor de violão e prática de conjunto da Escola Portátil de Música (RJ). De 2014 a 2015, foi Professor Substituto de Violão Popular da UNIRIO (Universidade Federal do Rio de Janeiro. De 2014 até final de 2017 foi professor de violão e história da música popular brasileira da Escola de Música Villa-Lobos. É integrante do grupo de música brasileira Água de Moringa (vencedor do prêmio Sharp de melhor grupo instrumental de 1998), do Conjunto Época de Ouro, do grupo Terno Carioca, do Forró do Kiko, da Furiosa Portátil e da Orquestra Pixinguinha na Pauta. Também participou da Orquestra de Cordas Brasileiras, da Orquestra de Violões Chiquinha Gonzaga, da Camerata Gama Filho e do grupo Alevare. Além dos álbuns autorais (Fotografia e Tresvarios, esse em parceria com Mauro Aguiar e a cantora Mariana Baltar), lançou em 2017, em duo com o cantor Marcos Sacramento, o cd Aracy de Almeida, a Rainha dos Parangolés, produzido e roteirizado por Hermínio Bello de Carvalho.
15 a 25
9h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.13 - Percussão e bateria no choro

O curso tem como objetivo a apresentação e aperfeiçoamento das bases técnicas dos instrumentos de Percussão em geral, em especial aqueles associados ao Samba e ao Choro. Serão tratados aspectos teóricos, com ênfase na prática da leitura rítmica (em todos os níveis), históricos e de estilo: - Toques rudimentares para pandeiro e tarol. - Linguagem do pandeiro no choro - Gêneros musicais do universo do choro ( Polca , Maxixe , Choro , Scottish , Valsa e Samba) - Iniciação e desenvolvimento prático da leitura musical em grupo, a partir dos conceitos e notação tradicionais. - Instrumental percussivo típico do samba e do choro (pandeiro, tambores em geral – caixas e atabaques, reco-reco, caixeta, tamborim, surdo, agogô, pratos a dois, bumbo, prato e faca, ganzá etc. - Introdução à coordenação para a Bateria – principais ritmos.
Pré-requisito: todos podem ser aceitos, ainda que na condição de ouvintes ou iniciantes, de acordo com um nivelamento a ser feito no primeiro encontro.
Professor(a)André Boxexa (RJ) André Boxexa (RJ)
15 a 25
09h - 12h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

03.14 - Bandolim

Considerações sobre a história do instrumento no Brasil e sobre as duas principais "escolas": Jacob do Bandolim e Luperce Miranda. Abordagem de elementos técnicos do instrumento - arpejos e escalas. Detalhamento de elementos de expressão no instrumento, desde o trêmolo até apojaturas e portamentos. Análise das peças do repertório, a partir da relação melodia-harmonia. Estudo da harmonização no instrumento; levadas básicas dos principais gêneros. Grupos de câmera. Pré-requisito: leitura musical razoável, tanto de notas como de cifras.
Professor(a)Marcilio Lopes (RJ) Marcilio Lopes (RJ)
Marcílio Marques Lopes é bandolinista do grupo Água de Moringa, Caldereta Carioca e Quarteto Brasileiro. Também fez parte da Orquestra de Música Brasileira, da Orquestra de Cordas Brasileiras e da Camerata Universidade Gama-Filho. Em duo com o violonista Carlos Barbosa-Lima, participou de seus dois últimos álbuns, além de concertos no Brasil e no exterior. Bacharel em Composição e Mestre em Musicologia pela UNIRIO, estudou composição com o Maestro Guerra-Peixe. É professor de harmonia na Escola Portátil de Música e editou recentemente o livro “Harmonia ao bandolim” pela Vitale. Tem cinco CD’s lançados, sendo o mais recente inteiramente dedicado à obra do grande amigo e também bandolinista Joel Nascimento.
CURSOS
15 a 25
18h - 20h
a definir

04.01 - Prática de Coro Adulto

A Prática de Coro Adulto será dedicada à preparação e interpretação de obras para coro misto com o objetivo de desenvolver e aprimorar a prática de leitura à primeira vista, percepção musical, técnica vocal e interpretativa do grupo como um todo. Durante os ensaios serão trabalhados exercícios vocais que atendam `as necessidades técnicas do coro e do repertório a ser apresentado. Os cantores irão também participar de ensaios de naipe e coletivo que focarão nos vários aspectos da prática de coro incluindo elementos específicos da emissão vocal (postura, respiração, impostação, dicção, etc) assim como elementos relevantes à interpretação musical (afinação, precisão rítmica, tradução e interpretação de texto, contextualização das obras, etc).
Material: pasta preta com plásticos para colocar as partituras, lápis e borracha. Roupa preta para o concerto de encerramento. O coralista que não possuir roupa preta deverá entrar em contato com outros coralistas e se certificar que poderá emprestar o vestuário apropriado para o concerto. Coralista sem roupa preta não terá permissão para cantar no concerto. Sem exceções!
Pré-requisito: ser estudante de música e/ou atuante na área coral. Devido ao grande número de material a ser preparado em pouco tempo, não haverá classificação de vozes. Os coralistas devem saber sua classificação vocal antes do primeiro ensaio.

As partituras são fornecidas aos cantores pelo festival. É de responsabilidade do coralista trazer as partituras a todos os ensaios e estar presente ao maior número de ensaios possíveis. Todos os ensaios são elaborados pra preparação do repertório do concerto de encerramento. Devido a natureza do curso, os ensaios precisam fluir de maneira rápida e sem interrupções. É de responsabilidade do coralista estudar a sua parte em casa e chegar preparado para os ensaios. O núcleo pedagógico do festival não irá se responsabilizar por preparação extra ou fora dos horários de ensaio.
Professor(a)Mariana Farah (Brasil/USA) Mariana Farah (Brasil/USA)
Graduada em regência pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Mariana é Mestre em Regência Coral pela Universidade de Iowa (EUA) e doutora em Regência Coral pelo Conservatório de Música e Dança da Universidade do Missouri em Kansas City (EUA). No Brasil, estudou regência na classe do professor Henrique Gregori e canto nas classes das professoras Niza de Castro Tank e Adriana Giarolla Kayama. Foi regente do Grupo Lauda da USP de Ribeirão Preto e do Canto do Campus da USP de Pirassununga. Nos Estados Unidos, Mariana estudou com Timothy Stalter, Richard Bloesch, Charles Robinson, Scott Anderson e foi também assistente do maestro Charles Bruffy. Atualmente é professora na Universidade de Kansas onde da aulas de regência e repertório coral e rege dois dos oito coros universitários. São inúmeras as apresentações frente aos seus grupos, salientando-se sua participação em congressos importantes como os promovidos pela National Association for Music Educators e pela American Choral Directors Association e seu concerto com o Harvard Radcliffe Collegium Musicum na Harvard University em 2015. No Brasil, Mariana já liderou cursos e concertos na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, na USP de Ribeirão Preto, na Universidade Estadual de Maringá, no Festival de Música de Londrina, e mais recentemente na UNICAMP. Sua pesquisa e extenso trabalho de divulgação do repertório coral brasileiro nos EUA levou ao título de Chair for Ethnic and Multicultural Perspectives pela Associação Americana de Regentes Corais. Em 2011, sua edição da peça Três Motetinos No. 2 do compositor Ernani Aguiar foi publicada pela Earthsongs Choral Music. Mariana é membro atuante da American Choral Directors Association e da National Association for Music Educators. Como cantora, Mariana é uma das contraltos do Te Deum Chamber Choir, um grupo profissional que vem se destacando pela impecável interpretação do repertório sacro de vários períodos da história da música.
15 a 25
9h-12h e 14h-17h
Colégio Hugo Simas

04.02 - Prática de Ópera

Objetivo: Oferecer ao aluno a experiência de preparação e participação em uma produção operística proporcionando a vivência vocal, corporal, cênica e musical necessárias para formação de um cantor lírico.
O repertório escolhido vem sempre de encontro com os objetivos didáticos de aperfeiçoamento técnico e artístico respeitando o desenvolvimento da classe. O repertório trazido pelos alunos também é aproveitado nas classes de Prática de Ópera, introduzidos em livre adaptação às obras escolhidas ou em apresentações extras marcadas durante o festival.
Atenção: No primeiro dia terá audições para conhecer as vozes e determinar os personagens das óperas.
Professor(a)Edineia de Oliveira Edineia de Oliveira
15 a 20/07
18h - 20h
Colégio Hugo Simas

04.03 - Prática de Coro de Música Popular

Diferentes ritmos da música popular nos arranjos corais (e no corpo dos cantores); Oficina destinada à preparação e apresentação de arranjos para coro a capella ou com acompanhamento; abordagens de aspectos técnicos dos arranjos; jogos musicais, jogos cênicos, cânones e vocalizes aplicados ao repertório.
Pré-requisitos: Ter mais de 18 anos. Experiência como cantor solista ou prática coral.
Professor(a)André Protasio (RJ) André Protasio (RJ)
É formado em regência coral pelos Seminários de Música Pro Arte, sob a orientação do maestro Carlos Alberto Figueiredo. Pós-graduado na UNIRIO em 2006 (Mestrado em Musicologia) onde defendeu uma dissertação sobre arranjo coral brasileiro. Atualmente é Doutorando da mesma instituição. Desde 2000 leciona arranjo vocal em cursos regulares no Rio de Janeiro ou intensivos em São Paulo, Paraná e Ceará. Também tem atuado como palestrante em congressos de música vocal (Rio a Capella, APARC, Oficina Coral, CBM).
No teatro, trabalhou com os diretores Miguel Falabella, Karen Accioly, André Câmara e Augusto Thomas Vannucci alternando as funções de diretor musical, preparador e arranjador. Destaca-se a direção musical de Arca de Noé – Vinícius para crianças”, direção de Vannucci, onde foram escritos arranjos para Coro, Solistas e Orquestra.
Produziu o DVD do grupo vocal feminino “Mulheres de Hollanda” (2008). É um dos cantores/arranjadores do premiado grupo vocal BR6, com 4 CDs e uma expressiva participação em Festivais de música na Europa. Foi o diretor musical e júri das 5 edições do Concurso Nacional de Arranjos e Grupos Vocais CCBB Brasil Vocal (2011 – 2015).
Tem uma longa experiência na direção de corais amadores. Atualmente dirige o Coro da Ladeira, grupo independente formado em março de 2009, o Coral do TRT Rio e o Coral da Quarta Aumentada, todos no Rio de Janeiro.
Dirigindo o grupo Equale, (https://www.equalevocal.com/) lançou em 2000 o CD “Equale no Expresso Gil”. Em 2004, o CD “Um gosto de Sol”, com canções (e a participação) de Milton Nascimento. Em 2017, lançou o CD “Na praia de Caymmi” com as canções de Dorival Caymmi. Este ultimo CD foi premiado em 2018 na categoria Melhor Grupo – MPB, no 29º Prêmio da Música Brasileira. As principais produções musicais, arranjos vocais, trilhas sonoras, clipes, estão disponíveis no site www.andreprotasio.com.
15 a 20
14h - 17h
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

04.04 - Técnica Vocal e Interpretação na canção popular brasileira

Trabalhar os processos que envolvem o ato de cantar. Tendo como principal foco o estudo do estilo interpretativo dos cantores da Música Popular Brasileira de 1929 aos dias atuais, as atividades serão orientadas conforme as seguintes abordagens:
- Autoconhecimento do corpo, a fim de mapear as tensões e hábitos que prejudicam a produção e fluência do som;
- Técnica vocal e respiratória;
- Iniciação à improvisação vocal, através de atividades de criação e desenvolvimento do ouvido harmônico;
- Audição de pequenos trechos de gravações originais lançadas nos períodos estudados proporcionando aos alunos e alunas um contato com os recursos vocais utilizados pelos grandes cantores brasileiros durante a Época de Ouro (1929-1945); os anos de 1945-1957 (fase de transição entre a Época de ouro e a bossa nova, onde uma das maiores novidades foi o samba-canção); as músicas regionais; os
sambas da década de 1950; e a bossa nova (1958-1963); a canção de protesto e a Era dos Festivais da TV; o Tropicalismo; o Clube da Esquina; as décadas de 1970, 1980 e 1990; os dias atuais;
- Prática de canções e aplicação de recursos estéticos e interpretativos para o cantor popular, buscando o desenvolvimento do estilo pessoal dos alunos e alunas. Neste sentido, a atividade busca também divulgar a história da Música Popular Brasileira, com seus compositores e intérpretes, e mostrar que recursos vocais interpretativos de todas as épocas podem ser verdadeiramente aplicáveis no canto popular do Brasil atual, contribuindo assim para a preservação do estilo e estética vocal característicos da música brasileira.
Professor(a)Andréa dos Guimarães (SP) Andréa dos Guimarães (SP)
Natural de Tupaciguara (MG), é bacharel em Música Popular e mestre em Música pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Desde 2002, integra o grupo Conversa Ribeira - juntamente com Daniel Muller e João Paulo Amaral - com o qual tem 02 CDs e representou o Brasil em festivais no México e Portugal. O trio está em fase de finalização de seu 3º álbum. Durante 06 anos compôs o Garimpo Quarteto, grupo de música instrumental com voz, com 01 CD gravado.
Realizou shows em Espanha, Portugal e Uruguai apresentando seu CD solo intitulado Desvelo. Já dividiu o palco com Mônica Salmaso, Paulo Freire, Guinga, Sara Serpa (Portugal), entre outros. Foi professora de Canto Popular no Conservatório de Tatuí (SP) (2003-2018), Faculdade Cantareira (SP) (2009-2013), na Faculdade Souza Lima (SP) (2013-2015) e na Escola Canto do Brasil (SP) (2001-2007). É professora de Canto Popular na Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP Tom Jobim (São Paulo) e no curso de Educação Musical da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).
15 a 25
9h-12h ou 14h-17h
Colégio Hugo Simas

04.05 - Técnica Vocal - Lírico

Objetivo Geral: Desenvolver e reforçar os conhecimentos técnicos do canto e sua aplicação no repertório de ópera, câmara e musicais além de dar suporte técnico para a classe de Prática de Ópera.
Objetivos específicos;
1. Fundamentos do desempenho vocal:
* postura, respiração e apoio respiratório
* articulação, ressonância e projeção vocal
* expressividade: elementos de dinâmica e fraseado
* aspectos da performance vocal em público
2. Desenvolvimento de repertório:
* Escolha, estudo e desenvolvimento de repertório vocal em solo, duos, trios, quartetos... de ópera, câmara e musicais. Prática de conjunto.
* O estudo da personagem.

Pré requisitos para alunos executantes: Ser estudante de canto lírico.
Obs: Alunos inscritos neste curso podem participar da "Prática de Ópera". No primeiro dia terá audições para conhecer as vozes e determinar os personagens das óperas.
Professor(a)Edineia de Oliveira Edineia de Oliveira
CURSOS
15 a 25
09h - 10h30 ou 14h - 15h30
Colégio Hugo Simas

05.01 - Percepção musical - Nível 1

A percepção musical música será trabalhada a partir da escuta de forma a evidenciar aspectos da estrutura musical em relação com o estilo, forma, e conteúdo musical. A metodologia busca um trabalho integrado e que perpasse a análise e a síntese, a prática e o conceito. A abordagem pedagógica se fará através da improvisação, da escuta e treinamento auditivo, criação e performance.
Serão oferecido dois níveis de curso buscando atender às necessidades de cada participante.
A classificação e organização das turmas serão realizada nos dia 16 de julho.
Professor(a)Aida Machado (SP) Aida Machado (SP)
Bacharel em Psicologia e Mestre em Música pelo Departamento de Música da Universidade de São Paulo. Tem se dedicado à música de câmara e se apresentado em recitais com as mais variadas formações e repertório que abrange desde a música antiga até a música de hoje. É Coordenadora Pedagógica do Curso Superior de Música da Faculdade Cantareira, professora na Faculdade de Música Santa Marcelina e Escola Municipal de Música de São Paulo. Seu prestígio tem-lhe valido constantes convites para compor júris em concursos de piano e música de câmara e ministrar cursos em várias cidades e nos principais Festivais de música do país. Pinaista do Bruch Trio, ao lado de Mata Vidigal, clarinete e Marcelo Jaffé, viola, Aída foi convidada da Fundação Magda Tagliaferro, com Bolsa do Ministério da Cultura, integrando a equipe da Fundação na Hochschule Karlsruhe, Alemanha.
15 a 25
10h30 - 12h ou 15h30 - 17h
Colégio Hugo Simas

05.02 - Percepção musical - Nível 2

A percepção musical música será trabalhada a partir da escuta de forma a evidenciar aspectos da estrutura musical em relação com o estilo, forma, e conteúdo musical. A metodologia busca um trabalho integrado e que perpasse a análise e a síntese, a prática e o conceito. A abordagem pedagógica se fará através da improvisação, da escuta e treinamento auditivo, criação e performance.
Serão oferecido dois níveis de curso buscando atender às necessidades de cada participante.
A classificação e organização das turmas serão realizada nos dia 16 de julho.
Professor(a)Aida Machado (SP) Aida Machado (SP)
Bacharel em Psicologia e Mestre em Música pelo Departamento de Música da Universidade de São Paulo. Tem se dedicado à música de câmara e se apresentado em recitais com as mais variadas formações e repertório que abrange desde a música antiga até a música de hoje. É Coordenadora Pedagógica do Curso Superior de Música da Faculdade Cantareira, professora na Faculdade de Música Santa Marcelina e Escola Municipal de Música de São Paulo. Seu prestígio tem-lhe valido constantes convites para compor júris em concursos de piano e música de câmara e ministrar cursos em várias cidades e nos principais Festivais de música do país. Pinaista do Bruch Trio, ao lado de Mata Vidigal, clarinete e Marcelo Jaffé, viola, Aída foi convidada da Fundação Magda Tagliaferro, com Bolsa do Ministério da Cultura, integrando a equipe da Fundação na Hochschule Karlsruhe, Alemanha.
15 a 20
9h - 12h
CC Leste

05.03 - Corpo e voz para 3ª idade - I

Proposta: Trabalhar canções do repertório da melhor idade, conhecidas ou não, que possam fazer intersecções com outras linguagens como dança, movimento, cena, brincadeiras, jogos. Assim, fazendo com que o idoso consiga, de forma lúdica, se expressar através da arte.

Justificativa: A música estimula a memória, amplia sua cognição e dá vida ao cérebro, o que no idoso se faz muito necessário. Através dela, aguçamos a sensibilidade, damos espaço para a criatividade e, naturalmente, nasce uma linguagem de expressão social e artística. Fazer arte nessa fase da vida é de enorme realização e conquista.
Professor(a)Maru Ohtani (SP) Maru Ohtani (SP)
Maru Ohtani – Regente de Coral. Bacharel em piano pela Faculdade de Artes Alcântara Machado.
Regente na EMIA (Escola Municipal de Iniciação Artística de São Paulo), entre crianças e adultos de várias idades, por trinta anos.
Cultiva a arte do cantar através de movimentos cênicos que tem como objetivo principal o cantar espontâneo.
Regente do Coral Sampa no show dos Rolling Stones em 2016 no Estádio do Morumbi em São Paulo.
Regente do coral infantil no Festival de Ourinhos em julho de 2016.
Atualmente é regente do Coral Oroboro, coral misto, com repertório da MPB e arranjos próprios.
Diretora Artística do grupo As Joanas, grupo feminino com repertório autoral e arranjos próprios.
15 a 20
14h - 17h30
CC Oeste

05.03 - Corpo e voz para 3ª idade - II

Proposta: Trabalhar canções do repertório da melhor idade, conhecidas ou não, que possam fazer intersecções com outras linguagens como dança, movimento, cena, brincadeiras, jogos. Assim, fazendo com que o idoso consiga, de forma lúdica, se expressar através da arte.

Justificativa: A música estimula a memória, amplia sua cognição e dá vida ao cérebro, o que no idoso se faz muito necessário. Através dela, aguçamos a sensibilidade, damos espaço para a criatividade e, naturalmente, nasce uma linguagem de expressão social e artística. Fazer arte nessa fase da vida é de enorme realização e conquista.
Professor(a)Maru Ohtani (SP) Maru Ohtani (SP)
Maru Ohtani – Regente de Coral. Bacharel em piano pela Faculdade de Artes Alcântara Machado.
Regente na EMIA (Escola Municipal de Iniciação Artística de São Paulo), entre crianças e adultos de várias idades, por trinta anos.
Cultiva a arte do cantar através de movimentos cênicos que tem como objetivo principal o cantar espontâneo.
Regente do Coral Sampa no show dos Rolling Stones em 2016 no Estádio do Morumbi em São Paulo.
Regente do coral infantil no Festival de Ourinhos em julho de 2016.
Atualmente é regente do Coral Oroboro, coral misto, com repertório da MPB e arranjos próprios.
Diretora Artística do grupo As Joanas, grupo feminino com repertório autoral e arranjos próprios.
15 - 17/07

Divisão de Artes Cenicas - DAC

05.04 - Um jogo chamado Música

Professor(a)Teca  Alencar de Brito (SP) Teca Alencar de Brito (SP)
Teca (Maria Teresa) Alencar de Brito é doutora e mestre em Comunicação e Semiótica pelap PUC-SP, bacharel em piano e licenciada em Educação Artística (habilitação em Música). Professora e pesquisadora no Departamento de Música da ECA-USP, criou, há 34 anos, a Teca Oficina de Música, núcleo de educação musical em São Paulo voltado à formação de crianças, jovens e adultos. Produziu sete cds documentando o trabalho musical desenvolvido com crianças e adolescentes (Canto do povo daqui, Cantos de vários cantos, Nós que fizemos, Música pra todo lado, Um bolo? musical, Ondas e Passarinhada e outros voos). É autora dos livros Música na educação infantil: propostas para a formação integral da criança, Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical, Hans-Joachim Koellreutter: ideias de mundo, de música e de educação e dos livros-cd Quantas músicas tem a música? ou Algo estranho no museu! e De roda em roda: brincando e cantando o Brasil, todos pela Editora Peirópolis, além de capítulos de livros e vários artigos na área da Educação Musical. É membro do Fórum Latino-americano de Educação Musical (FLADEM), tendo sido representante nacional do movimento e também vice-presidente do FLADEM Internacional. Lançou em 2019 o livro Um jogo chamado música: escuta, experiência criação, educação, pela Peirópolis e o Instituto Arte na Escola.
15/07
14h - 17h
Centro Cultural SESI – AML

05.05 - Construção de arranjos para 2 violões

Na oficina Construção de arranjos para 2 violões, com 3 horas de duração, Paulo Bellinati e Marco Pereira explicarão aos alunos presentes, passo a passo, a elaboração dos arranjos para 2 violões que construíram para 4 músicas de Dominguinhos -- De volta pro aconchego (Dominguinhos e Nando Cordel), Gostoso demais (Dominguinhos e Nando Cordel), Eu só quero um xodó (Dominguinhos e Anastácia) e Isso aqui tá bom demais (Dominguinhos e Nando Cordel) --, abordando questões harmônicas, melódicas, timbrísticas e de sonoridade e contraponto, a partir das composições originais.
Público alvo: Estudantes de música de qualquer nível e também ouvintes leigos.
Número de participantes: até 20 (vinte) alunos por oficina.
Professor(a)Paulo BellinatiPaulo Bellinati
Instrumentista (violonista). Compositor. Arranjador. Estudou violão clássico com Isaias Sávio. Formou-se no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. De 1975 a 1980, viveu na Suíça, onde continuou seus estudos em Genebra e lecionou no Conservatório de Lausanne. Sua atuação tem reconhecimento em âmbito internacional. Foi um dos representantes brasileiros, ao lado de Cristina Azuma, Gabriel Improta e a Camerata de Violões do Conservatório Brasileiro de Música, do evento "Panorama Internacional do Violão", que ocupou a Sala Cecília Meireles (RJ), em 2000, com recitais e master classes.
Professor(a)Marco PereiraMarco Pereira
Violonista, compositor, arranjador e produtor. Estudou violão na capital paulista, sob orientação do mestre uruguaio Isaías Sávio, e cursou Teoria Musical no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo e na Universidade de São Paulo (USP). Viveu na França por 5 anos, onde recebeu o título de Mestre em Violão pela Université Musicale Internationale de Paris e defendeu tese sobre a música de Heitor Villa Lobos no Depto. de Musicologia da Universidade de Paris-Sorbonne. Em Paris, recebeu forte influência jazzística e também de música latino-americana, o que caracterizou, especialmente, seu trabalho de composição. Dono de vastíssima discografia, vem mantendo intensa atividade como solista no Brasil e no exterior ao longo de sua carreira. Suas composições estão editadas pela Editora Lemoine, de Paris, e têm sido gravadas e tocadas em concerto por grandes intérpretes europeus. É professor adjunto no Depto. de Composição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
22 e 23/07
09h - 12h
Divisão de Artes Cênicas - DAC

05.06 - Oficina de pandeiros quadrados mediterrâneos

Nesta oficina os participantes serão convidados a prática musical com os pandeiros quadrados mediterrâneos - adufes portugueses e panderos cuadrados espanhóis - e canções tradicionais destas localidades.

Número de participantes e ouvintes: 10
Voltada a interessados em geral.
Os instrumentos serão fornecidos pela professora.
Professor(a)Valéria Zeidan Rodrigues Valéria Zeidan Rodrigues
-
15 a 20/07
14h - 16h
Colégio Hugo Simas

05.07 - Arranjo Vocal em MPB

O objetivo do curso é expor diferentes sonoridades para um arranjo vocal através do uso de diferentes técnicas de escrita. As técnicas são apresentadas numa ordem crescente de dificuldade através de pequenos exercícios. Cada tópico é acompanhado de exemplos escritos e gravados.
Tópicos: extensões de coros e grupos vocais, análises de arranjos vocais, técnica homofônica (de 2 até 4 vozes), contracantos, técnicas especiais e planejamento do arranjo.
Pré-requisitos: leitura e escrita musical fluente, leitura de acordes cifrados, conhecimento básico de harmonia e habilidade em algum instrumento harmônico.
Público alvo: cantores, instrumentistas, arranjadores e regentes
Professor(a)André Protasio (RJ) André Protasio (RJ)
É formado em regência coral pelos Seminários de Música Pro Arte, sob a orientação do maestro Carlos Alberto Figueiredo. Pós-graduado na UNIRIO em 2006 (Mestrado em Musicologia) onde defendeu uma dissertação sobre arranjo coral brasileiro. Atualmente é Doutorando da mesma instituição. Desde 2000 leciona arranjo vocal em cursos regulares no Rio de Janeiro ou intensivos em São Paulo, Paraná e Ceará. Também tem atuado como palestrante em congressos de música vocal (Rio a Capella, APARC, Oficina Coral, CBM).
No teatro, trabalhou com os diretores Miguel Falabella, Karen Accioly, André Câmara e Augusto Thomas Vannucci alternando as funções de diretor musical, preparador e arranjador. Destaca-se a direção musical de Arca de Noé – Vinícius para crianças”, direção de Vannucci, onde foram escritos arranjos para Coro, Solistas e Orquestra.
Produziu o DVD do grupo vocal feminino “Mulheres de Hollanda” (2008). É um dos cantores/arranjadores do premiado grupo vocal BR6, com 4 CDs e uma expressiva participação em Festivais de música na Europa. Foi o diretor musical e júri das 5 edições do Concurso Nacional de Arranjos e Grupos Vocais CCBB Brasil Vocal (2011 – 2015).
Tem uma longa experiência na direção de corais amadores. Atualmente dirige o Coro da Ladeira, grupo independente formado em março de 2009, o Coral do TRT Rio e o Coral da Quarta Aumentada, todos no Rio de Janeiro.
Dirigindo o grupo Equale, (https://www.equalevocal.com/) lançou em 2000 o CD “Equale no Expresso Gil”. Em 2004, o CD “Um gosto de Sol”, com canções (e a participação) de Milton Nascimento. Em 2017, lançou o CD “Na praia de Caymmi” com as canções de Dorival Caymmi. Este ultimo CD foi premiado em 2018 na categoria Melhor Grupo – MPB, no 29º Prêmio da Música Brasileira. As principais produções musicais, arranjos vocais, trilhas sonoras, clipes, estão disponíveis no site www.andreprotasio.com.
a definir
14h-15h30

05.08 - O Sopapo e a Cultura Popular

A oficina de Percussão “O Sopapo e a Cultura Popular” pretende despertar o interesse pela música de percussão, através do resgate histórico-cultural do instrumento de percussão afro-riograndense, o SOPAPO. Além de incentivar o desenvolvimento musical através da percussão, oportunizará o contato com instrumentos de percussão popular tradicionalmente utilizados no samba.
Professor(a)Grupo Pepeu (RS) Grupo Pepeu (RS)
Programa de Extensão em Percussão da UFPel
Universidade Federal de Pelotas
No ano de 2013, em meados da primavera, o curso de Licenciatura em Música da Universidade Federal de Pelotas recebe um cultivador de sonhos, que nos seus primeiros passos pelos solos pelotenses foi mostrando sua sede em celebrar a vida com música, fazendo germinar uma força.
Os sonhos começam a dar pé e o cultivador e seu bando seguem a expedição, rumando ao que se der, habitando os espaços e algumas árvores por aí e movidos pelo ritmo e a pulsação na ponta dos dedos, traçando seu destino a cada batida do tamboração.
Idealizado pelo Professor José Everton Rozzini, bacharel em Percussão e mestre em Educação Musical e Doutorando em Educação, o P.E.P.E.U. – Programa de Extensão em Percussão da UFPel, pioneiro no Centro de Artes e na cidade de Pelotas, tem como um dos seus princípios criar um elo entre a universidade e a cultural local, relacionando o ensino, pesquisa e extensão à prática de percussão.
Depois de ter passado pelas cidades de Uberlândia MG, Curitiba PR, Florianopolis SC, Porto Alegre e Santa Maria no RS, o PEPEU retorna ao Festival Internacional de Londrina para apresentar o Espetáculo “TAMBOR QUE HABITA MEU PEITO”
a definir
14h-15h30

05.09 - Berimbau afoxé, samba e maracatú

Frente ao atual cenário da educação brasileira, em que por muitas vezes não se dá a devida importância à cultura nacional, especialmente a cultura popular, esta oficina se propõe a trabalhar o recorte da capoeira dentro do contexto histórico em que foi formada a partir da poesia e da música utilizando-se do instrumento berimbau e sua relação com três ritmos da cultura brasileira, o afoxé o samba e o maracatú. A sua relevância se dá na medida em que são apresentados fatos que estruturem a reflexão dos sujeitos acerca de uma identidade coletiva, sobretudo nas crianças, quando começa a ser conformado o imaginário sócio - cultural e a cidadania. Através da brincadeira, da sensibilização à história da escravidão, da sensibilização à poesia e da sonoridade e do peso cultural dos instrumentos, procura-se então introduzir estes sujeitos à uma prática de consciência crítica sem perder, contudo, o gosto pela fruição e pela arte em si através da prática musical coletiva.
Professor(a)Grupo Pepeu (RS) Grupo Pepeu (RS)
Programa de Extensão em Percussão da UFPel
Universidade Federal de Pelotas
No ano de 2013, em meados da primavera, o curso de Licenciatura em Música da Universidade Federal de Pelotas recebe um cultivador de sonhos, que nos seus primeiros passos pelos solos pelotenses foi mostrando sua sede em celebrar a vida com música, fazendo germinar uma força.
Os sonhos começam a dar pé e o cultivador e seu bando seguem a expedição, rumando ao que se der, habitando os espaços e algumas árvores por aí e movidos pelo ritmo e a pulsação na ponta dos dedos, traçando seu destino a cada batida do tamboração.
Idealizado pelo Professor José Everton Rozzini, bacharel em Percussão e mestre em Educação Musical e Doutorando em Educação, o P.E.P.E.U. – Programa de Extensão em Percussão da UFPel, pioneiro no Centro de Artes e na cidade de Pelotas, tem como um dos seus princípios criar um elo entre a universidade e a cultural local, relacionando o ensino, pesquisa e extensão à prática de percussão.
Depois de ter passado pelas cidades de Uberlândia MG, Curitiba PR, Florianopolis SC, Porto Alegre e Santa Maria no RS, o PEPEU retorna ao Festival Internacional de Londrina para apresentar o Espetáculo “TAMBOR QUE HABITA MEU PEITO”
a definir
14h-15h30

05.10 - Oficina de Tambor de Religião de Matriz Africana

A percussão está presente nas mais diferentes manifestações religiosas em diversas partes do mundo. No Brasil, há uma relação efetiva entre as religiões de matriz africana e seus diferentes tambores que vem sendo objeto de estudo em diferentes pesquisas em nossas universidades. Para o 39° Festival de Londrina, o PEPEU – Programa de Extensão em Percussão da UFPel, propõe por meio de uma oficina, lançar o olhar sobre o instrumento de percussão ILÚ, trazendo para a roda de tambores alguns dos principais toques e ritmos tradicionalmente utilizado no Batuque do Rio Grande do Sul.
Professor(a)Grupo Pepeu (RS) Grupo Pepeu (RS)
Programa de Extensão em Percussão da UFPel
Universidade Federal de Pelotas
No ano de 2013, em meados da primavera, o curso de Licenciatura em Música da Universidade Federal de Pelotas recebe um cultivador de sonhos, que nos seus primeiros passos pelos solos pelotenses foi mostrando sua sede em celebrar a vida com música, fazendo germinar uma força.
Os sonhos começam a dar pé e o cultivador e seu bando seguem a expedição, rumando ao que se der, habitando os espaços e algumas árvores por aí e movidos pelo ritmo e a pulsação na ponta dos dedos, traçando seu destino a cada batida do tamboração.
Idealizado pelo Professor José Everton Rozzini, bacharel em Percussão e mestre em Educação Musical e Doutorando em Educação, o P.E.P.E.U. – Programa de Extensão em Percussão da UFPel, pioneiro no Centro de Artes e na cidade de Pelotas, tem como um dos seus princípios criar um elo entre a universidade e a cultural local, relacionando o ensino, pesquisa e extensão à prática de percussão.
Depois de ter passado pelas cidades de Uberlândia MG, Curitiba PR, Florianopolis SC, Porto Alegre e Santa Maria no RS, o PEPEU retorna ao Festival Internacional de Londrina para apresentar o Espetáculo “TAMBOR QUE HABITA MEU PEITO”
CURSOS
15 a 20
9h - 10h15
Igreja de Jesus Cristo

06.01 - Prática de Orquestra Infanto Juvenil

Os alunos de cordas e sopros matriculados nas oficinas infantis terão a oportunidade de participar desta oficina.
Utilizando-se da filosofia Suzuki, em que toda criança é capaz, será abordado repertório que englobe multi-níveis (dos iniciantes ao avançados) para que até mesmo os alunos que nunca participaram de uma orquestra e/ou que não possuem a leitura musical desenvolvida, possam experimentar esta vivência e para aqueles que já participaram, contribuírem com sua experiência.
Alunos que podem participar da Prática de Orquestra Infanto Juvenil:
Violino - Método Suzuki
Violoncelo - Método Suzuki
Flauta Doce - Método Suzuki

Atenção pais ou responsáveis: A criança que fica a manhã toda, deverá trazer o seu lanche (intervalo das 10h15 as 10h30) . O lanche deverá ser nos padrões permitidos pela lei que rege os lanches de crianças em ambiente escolar (sem refrigerante, sem fritura, grau permitido de sódio, açúcar e gordura).
Professor(a)Professores do Kids Professores do Kids
15 a 20
10h30 - 12h
Igreja de Jesus Cristo

06.02 - Prática de Coro Infantil

- Estimular a habilidade de manejar a voz cantada através de canções, brincadeiras, vocalizes e jogos rítmicos/melódicos; bem como noções de técnica vocal (postura, respiração, articulação, afinação). Tudo isso de forma lúdica.
- Proporcionar ao coralista o contato com várias culturas, através de sua música, língua e demais aspectos que são abordados ao cantar uma música de determinada época e/ou povo.
- Vivenciar a experiência de cantar em público (o palco, o “frio na barriga” e os aplausos) através da performance a ser realizada no final do curso.

*Público-alvo: crianças que GOSTEM DE CANTAR, com idade de 7 anos (completos em Junho 2019) a 13 anos (meninos até 13 anos que não estejam na muda vocal).
Professor(a)Ana Paula Miqueletti (PR)Ana Paula Miqueletti (PR)
Natural de Altônia – PR, concluiu o curso técnico de piano (2003), sob a orientação de Nancy Maradei e Marion Schubert na Academia Musical Schubert (Umuarama-PR).
Graduou-se e pós graduou-se na UEL em Licenciatura em Música (2000) e Performance Musical – piano (2007), respectivamente.
Atuou como educadora musical na St. James’ International School (2001-2004) nas áreas de Ensino de Instrumento, Coro Infantil e Musicalização.
Atuou como professora no Departamento de Música da UEL (2003) na área de Metodologia e Prática em Educação Musical e também no Parfor/UEL (2011/2014) nas áreas de Canto Coral e Iniciação ao piano.
Participou do ‘8th Symposium on Choral Music’ (Copenhagen/2008) em oficinas e master classes com Keith Terry, Bo Johansson, Bob Chilchott, Zimfira Poloz, entre outros.
Ministrou, juntamente com a equipe do projeto ‘Um canto e cada canto’, cursos de Educação Musical e Canto Coral na ABEM (2009) e SPEM (2010). Este projeto, tem como coordenadora artística a renomada regente londrinense Lucy Schimiti e, como coordenadora pedagógica e idealizadora, Oleide Lelis.
Foi professora do 31º e 32º Festival Internacional de Música de Londrina (FIML - 2011 e 2012) na Prática e Regência de Coro Infantil, no 33o FIML (2013) coordenou oficinas de Educação Musical, no 37º FIML (2017) preparou o Coro Infanto/Juvenil para a cantata “Carmina Burana” e no 38º FIML (2018) foi pianista correpetidora, no curso de Prática e Regência de Coro Infantil.
Participou da conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2011 (Chicago - USA e em 2015 (Salt Lake City – USA) em cursos e master classes com Alice Parker, Dan Davison, entre outros.
Em 2015 e 2017, viajou em turnê pela Europa, juntamente com o “Coral Unicanto” (Londrina-PR). Como pianista oficial do coro, tocou em concertos pela Holanda, Alemanha e Itália além de ter composto vários dos arranjos para piano, com canções interpretadas pelo referido coral.
Atualmente é regente e pianista correpetidora no projeto “Um canto em cada canto” (Educação Musical através do canto coral), pianista correpetidora, leciona piano e desenvolve atividades de composição e arranjo para coro infantil e adulto.
Professor(a)Carla Nishimura (PR)Carla Nishimura (PR)
Nascida em Londrina-PR, iniciou seus estudos musicais em 1983, tendo concluído o Curso Técnico em Piano no Centro Musical “Villa- Lobos” de Maringá-PR (1994).
Graduou-se em Licenciatura em Música na UEL, participando de vários projetos na Universidade (1997).
Foi integrante do grupo Neuma, realizando diversos concertos como soprano solista (1998/1999).
Destacou-se como Soprano solista na ópera “La liberazione di Riggiero dall’isola di Alcina” (2004).
Foi regente do coral de 1.000 vozes nas comemorações ao Centenário da Imigração Japonesa no Brasil (2008).
Lecionou aulas de canto e piano em diversas escolas de música de Londrina.
Foi regente no Coral Dedic (2008 e 2009).
Ministrou cursos relacionados à Educação Musical e Canto Coral no Encontro da Associação Brasileira de Educadores Musicais (2009) e no Simpósio Paranaense de Educação Musical (2010), ambos em Londrina com a equipe do “Um canto em cada canto”.
Participou de vários Festivais de Música, principalmente na área de Regência Coral, Canto e Técnica Vocal.
Esteve na Conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2011 (Chicago - USA).
Participou de Conferência da ACDA (American Choral Directors Association) em 2015 (Salt Lake City – USA).
Foi regente do Coro Feminino da ACEL de 1998 a 2016.
No 37o Festival Internacional de Música de Londrina (2017) preparou o Coro Infanto/Juvenil para a cantata “Carmina Burana”.
Atualmente rege o Coral Madre Leônia Milito (desde 2009), bem como leciona aulas de canto e piano.
Desde 2005 também exerce atividades como Regente do Projeto ”Um canto em cada canto – educação musical através do canto coral” em escolas do Município de Londrina.
15 a 20
14h - 17h
Igreja de Jesus Cristo

06.03 - Violino

Este curso vai abordar o violino no universo das crianças e adolescentes. Serão abordados os aspectos  técnicos, artísticos, históricos e todos demais assuntos pertinentes ao fazer artístico com violino. Ele é  direcionado para crianças e adolescentes mas aceita alunos de todas faixas etárias.

ATENÇÃO:
1. É necessário que o aluno inscrito neste curso se inscreva também na Prática de Orquestra Infanto Juvenil
Professor(a)a definir a definir
15 a 20
10h30 - 12h ou 14h - 17h
Igreja de Jesus Cristo

06.04 - Violoncelo

Aula coletiva: Exercícios e jogos para o desenvolvimento da percepção rítmica e melódica, leitura, improvisação, criatividade e postura corporal. Prática de orquestra de violoncelos, com arranjos a duas e três vozes de repertório variado. Masterclass: Alunos executam suas peças individualmente e recebem orientação do professor enquanto os demais colegas assistem.
Obs.: A metodologia pode ser adaptada de acordo com a faixa etária e o número de alunos. Da mesma forma, a duração das aulas coletivas e masterclasses podem ser modificados de acordo com a demanda e necessidade dos alunos.
OBJETIVOS: Desenvolver habilidades musicais (ritmo, afinação, criatividade, improvisação e leitura) e habilidades corporais (consciência corporal e coordenação motora) necessárias para o violoncelo.

ATENÇÃO:
1. É necessário que o aluno inscrito neste curso se inscreva também na 06.01-Prática de Orquestra Infanto Juvenil
2. A criança que fica a manhã toda, deverá trazer o seu lanche (intervalo das 10h15 às 10h30) . O lanche deverá ser nos padrões permitidos pela lei que rege os lanches de crianças em ambiente escolar (sem refrigerante, sem fritura, grau permitido de sódio, açúcar e gordura)
Professor(a)Pedro Henrique Ludwig  (PR) Pedro Henrique Ludwig (PR)
Pedro Henrique Ludwig vem atuando como músico de orquestra, camerista e professor de violoncelo desde 2000. Foi o primeiro violoncelista a graduar-se pela Universidade Federal de Santa Maria em 2004, e no ano seguinte transferiu-se para os Estados Unidos para dar seguimento à sua formação. Recebeu o título de mestre pela Universiy of South Carolina, onde atuou no USC Graduate String Quartet, e prosseguiu com estudos de aperfeiçoamento na Carnegie Mellon University, com bolsas de estudos das próprias universidades. Vem atuando como músico convidado em orquestras no Brasil e nos Estados Unidos, destacando a South Carolina Philharmonic Orchestra, Augusta Symphony Orchestra, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e Orquestra Sinfônica Brasileira. Em 2012 atuou como chefe de naipe e coordenador da orquestra na gravação do CD “Responsórios Fúnebres” - José Maurício Nunes Garcia, do Coral Porto Alegre, com regência de Ernani Aguiar. Trabalho que recebeu o Prêmio Açorianos de Música como melhor intérprete erudito em 2012. Como professor, Pedro vem trabalhando no ensino de violoncelo de crianças de 7 anos a adultos amadores e, mais recentemente, jovens em fase de profissionalização. Trabalhou no Curso de Extensão da UFSM (Núcleo Suzuki de Santa Maria), implantou o ensino de violoncelo no Colégio Evangélico Augusto Pestana (Ijuí/RS), e deu assistência à classe de ensino médio da University of South Carolina. Lecionou também no Festival de Música de Cascavel em 2012 e 2013. Desde 2013 é professor do Departamento de Música da Universidade Estadual de Maringá. Seus principais professores foram Mônia Kothe, Adriane Savytzky, ngela Ferrari, Robert Jesselson e David Premo.
15 a 20
9h - 10h30
Igreja de Jesus Cristo

06.05 - Flauta Doce - Nível Iniciantes

O curso de flauta doce tem como objetivo trabalhar aspectos técnicos e musicais da flauta doce soprano/alto, bem como, estreitar as nossas relações com aspectos históricos do repertório desenvolvido afim de enriquecer a musicalidade mediante a interpretação musical e artística de cada um além de motivar para o fazer musical. Aberto para crianças, as aulas serão coletivas com momentos individuais (masterclass) para atendimento à alguma especificidade do estágio técnico e/ou musical em que se encontra cada flautista. É INDISPENSÁVEL A PRESENÇA DOS PAIS. Este curso é destinado para alunos suzuki de flauta doce e outros alunos que estudam o instrumento.

Os alunos serão divididos por níveis.

Aos alunos: trazer o seu instrumento (flauta doce soprano BARROCA), repertório que já toca (se tiver) e estante de partitura.
Professor(a)Luciana Schmidt (PR) Luciana Schmidt (PR)
Iniciou seus estudos na Música em Apucarana, no Conservatório de Música Santa Cecília. É licenciada em Música pela UEL (Universidade Estadual de Londrina), é especialista em Música (Educação Musical) pela mesma Universidade e está em contínuo estudo sobre a Educação do Talento e o método Suzuki para flauta doce, tendo como professoras Barbara Barber, Mary Waldo e Renata Pereira. Participa ativamente de congressos, simpósios e festivais em diversas cidades do país. É membro da ABEM (Associação Brasileira de Educação Musical) e faz parte do grupo de membros da Suzuki Association of theAmericas (SAA). Idealizadora da empresa SS Assessora Pedagógica e autora da coleção “Cadernos de Música” para o ensino fundamental 1 (1º ao 9º ano). Apresentou diversos artigos e comunicações em congressos da ABEM, ABEM sul, Simpósio Paranaense de Educação Musical, curso de pós-graduação em Música pela UEL, curso de PDE (Programa de Desenvolvimento da Educação) em Artes na mesma Universidade e na revista “Música na Educação Básica” (ABEM). Nos anos de 2003 e 2004, trabalhou como docente na UEL junto ao curso de Licenciatura em Música. Trabalhou também como professora de música nos colégios: Mãe de Deus, Londrinense, Smile e Universitário, onde aplicou o método Suzuki para flauta doce no ensino fundamental 1e atuou como professora convidada da UEL no PARFOR, em Londrina-PR. Participou como integrante do Quarteto de Flautas Doces – Tetracorde de Londrina entre os anos de 2000 a 2003. Desde 2013 auxilia nas aulas de flauta doce para crianças no Festival Internacional de Música de Londrina. Atualmente é professora de flauta doce pelo método Suzuki, dulcista da Orquestra Barroca Capriccio Stravagante da Divisão de Música da UEL, integrante do Projeto Música Criança da UEL, proprietária e produtora no Flauta e Fole – Estúdio Musical e idealizadora e coordenadora da Maratona Flauta e Fole de Londrina, que se encontra em sua quarta edição.
15 a 20
10h30 - 12h
Igreja de Jesus Cristo

06.06 - Flauta Doce - Nível Intermediário

O curso de flauta doce tem como objetivo trabalhar aspectos técnicos e musicais da flauta doce soprano/alto, bem como, estreitar as nossas relações com aspectos históricos do repertório desenvolvido afim de enriquecer a musicalidade mediante a interpretação musical e artística de cada um além de motivar para o fazer musical. Aberto para crianças, as aulas serão coletivas com momentos individuais (masterclass) para atendimento à alguma especificidade do estágio técnico e/ou musical em que se encontra cada flautista. É INDISPENSÁVEL A PRESENÇA DOS PAIS. Este curso é destinado para alunos suzuki de flauta doce e outros alunos que estudam o instrumento.

Aos alunos: trazer o seu instrumento (flauta doce soprano BARROCA), repertório que já toca (se tiver) e estante de partitura.
Professor(a)Claudia Freixedas (SP) Claudia Freixedas (SP)
Educadora musical e flautista doce, Mestre pela ECA-USP, formada pelo Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, com especialização em Música Barroca no Koninklijk Conservatorium Den Haag (Haia, Holanda) e Pós-graduada em Capacitação Docente em Música Brasileira pela Universidade Anhembi-Morumbi. Freixedas é integrante da Equipe pedagógica do Projeto ‘Brincadeiras Musicais’ da Palavra Cantada e Professora na Faculdade Alcântara Machado (FAAM-SP). Em 2013 ministrou oficinas sobre a didática da flauta doce na 9ª Conferência Regional Latino Americana e 2ª Panamericana de Educacão Musical ISME Chile e e no XIX Seminário Latino Americano de Educação Musical, organizado pelo FLADEM, no Uruguai. Neste mesmo ano ministrou cursos da FACITO. Em 2002 deu cursos no III Encontro Internacional Performance Histórica de Tatuí e na III e IV Semanas de Educação Musical IA-UNESP (2011 e 2012). Foi professora nos Festivais de Música de Londrina e Curitiba (2005) e Juiz de Fora (1995 a 2005). Lecionou na Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA-SP) de 2000 a 2012. Em 2009 gravou DVD junto ao Quinteto Sopro Novo Yamaha, tendo realizado mais de oitenta concertos por todo o Brasil. Atualmente integra os grupos ‘Quarteto Fontegara’, ‘Trio Sospirare’, ‘Doce Fole’, ‘Quadrivium’, ‘Doces Diálogos’ e ‘Grupo Recordari’ que se apresentam em diversas salas de concerto e em projetos como ‘Música em Cena (2011), projeto promovido pelo SESC; SESI Música Brasileira (2009) e SESI Música Arte-educação (2011) entre vários outros. Claudia Freixedas é professora do Curso Superior de Música (Licenciatura) e da Pós-graduação da Faculdade Cantareira.
15 a 20
Ver nota na ementa do curso
Colégio de Aplicação Pedagógica UEL

06.08 - Banda de Garagem

A oficina “Bandas de Garagem” é uma prática de banda inovadora da qual participam crianças, jovens, adolescentes e adultos a partir de seis anos, e sem limite máximo de idade. A ideia é inverter a mão de diversos cursos de música que privilegiam a teoria, e iniciar na prática. Para isso, selecionamos grupos de no máximo oito alunos, mesmo que nunca tenham tido nenhuma relação com um instrumento musical, e colocamos a mão na massa.

Em uma semana de trabalho, a partir da segunda feira, separamos os grupos, o que cada componente tocará (é muito importante aproveitar tudo o que muitos já trazem), selecionamos o repertório, dividimos os grupos em manhã e tarde de modo que possamos atender a todos, numa média de 40 minutos para cada grupo, e os ensaios acontecem de segunda a sexta, até o “gran finale” que acontece normalmente no sábado.

Prezamos a variedade de estilos musicais, a experimentação, o estímulo, a questão lúdica e o processo em si, aspectos que trarão, além de uma grande alegria, a experiência feliz de tocar em uma banda, culminando com uma grande apresentação no Teatro Crystal.
Público Alvo

Crianças a partir de seis anos, adolescentes e adultos sem limite de idade.


Das 9 às 12h e das 14 às 17h.
Atenção:
Este curso será oferecido a partir da formação de grupos que formam a configuração de Banda. Cada "Banda" terá aulas, de 40 minutos durante a semana.

Para a organização das Bandas, será imprescindível que os inscritos compareçam no Colégio Hugo Simas no dia 14/07 as 15h para formação dos grupo e respectivos horários .A partir do dia 15/07, as aulas acontecerão no Colégio de Aplicação
Professor(a)Fernando Mello (RJ)Fernando Mello (RJ)
Formação /Áreas de Atuação na área da Cultura
- Formado em Harmonia, Violão/Guitarra e Percepção pela Rio-Música (RJ);
- Trabalhou e trabalha com musicalização infantil em diversas escolas de pré escolar e ensino fundamental de Teresópolis;
- É formado em Letras (Língua Portuguesa/Literatura Brasileira) pela Universidade Plínio Leite (Niterói – RJ);
- Cantor, Compositor e Instrumentista com três CDs lançados e um DVD;
- Ministra aulas de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, Música e Redação em diversas escolas de Teresópolis - RJ;
- Trabalhou como animador cultural no projeto CIEP;
- Exerceu o cargo de professor substituto da cadeira de Percepção, na Rio Música (RJ) de 1988 a 1991;
- Ministra aulas particulares de Harmonia, Violão/Guitarra e Percepção;
- É professor de Iniciação Musical, Musicalização, Prática de Conjunto e Violão/Guitarra do Instituto de Artes (Integrartes);
- É professor de musica no colégio CEM, desde 1998;
- Ministrou oficinas de musicalização para todos os professores do município pela Secretaria Municipal de Educação.
Outras Atividades
- Autor, músico e diretor de diversos espetáculos de artes integradas, musicais que envolvem dança, teatro e música, entre eles:
Messias, o Mensageiro da Esperança; Bumba Meu Boi; Mineiro Pau; MC Naíma em Busca do Seu Amor; 80 Rotações; O Baú das Histórias - Um Conto Africano; Vinícius, o Destemido; Auto de Natal.
- Professor de Prática de Banda do Instituto Integrartes, e representante desse Instituto na condução do projeto "Bandas de Garagem" no Festival Internacional de Música de Londrina.
Professor(a)Ale Donioli (PR)Ale Donioli (PR)
Ale Donioli é Graduado em Licenciatura em Música pela Universidade Estadual de Londrina (UEL 2012-2015) e formado em Guitarra MPB/Jazz pelo Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí (2002-2007), onde também cursou Violão Erudito durante dois anos (2003-2004) e Guitarra Comercial (2002); Participou em projetos artísticos na UEL/PR: Música Criança (2012-2014) e Camerata de Violões da UEL (2012-2015), e nos Projetos de Iniciação Científica: “A análise como suporte para a composição musical” (2012-2014) e "O PAPEL DA ESCUTA NO PROCESSO CRIATIVO DA LIVRE IMPROVISAÇÃO" (2013-2015); Participou da gravação do CD Bichos, Cores e Outros Amores do Projeto Música Criança lançado em 2013, tanto no auxílio da confecção dos arranjos, quanto das gravações de viola caipira nas faixas do referido CD; Deu aulas no Projeto Guri - Pólos Echaporã/SP, Maracaí/SP e Cândido Mota/SP no cargo de Professor de Violão, Regente e Arranjador, tendo como principais atividades: Planejamento de aulas e ensino de violão, regência de grupos de performance, arranjos e elaboração de materiais didáticos complementares; Ministrou aulas de música no Festival de Música de Goioerê / PR - FEMUG (2013).
Outras atividades: Atua como guitarrista e violonista nas bandas Sarará Criolo, Urutau Reggae e Oiti Trio; Produziu em parceria com o produtor musical Júlio Anizeli, o disco intitulado Suinga da banda Sarará Criolo, no qual também assina a direção musical e também diversas faixas do disco como compositor.